Palestina: recomeça a demagogia dos ‘dois Estados’

http://www.anovademocracia.com.br/140/17a.jpg
Enquanto o sangue do povo palestino é derramado em Gaza, Abbas e Netanyahu cumprimentam-se diante de Obama

É sempre a mesma novela: após mais um massacre na Faixa de Gaza levado a cabo pelo Estado delinquente de Israel e mais um sangrento capítulo do projeto fascista-sionista de limpeza étnica da Palestina invadida, a “comunidade internacional” começa a se derreter em adulos e afagos ao povo palestino, como quem nada faz para impedir uma chacina e depois, muito distinto, enche de flores os túmulos dos mortos.

No último 3 de outubro, o primeiro-ministro da Suécia, Stefan Lofven, em seu discurso de posse no cargo proferido no parlamento daquele país, adiantou que seu “governo” vai reconhecer o Estado da Palestina, como se ao povo palestino a Suécia estivesse fazendo um grande favor. Porém — e sempre há um, e sempre o mesmo — a Suécia reconhece também o Estado de Israel, porque, para Lofvren, a “solução do conflito israelo-palestino passa pela criação de dois Estados”.

Poucos dias depois, em 11 de outubro, foi a vez dos deputados britânicos, em votação de 274 a favor e 12 contra, aprovarem uma moção pedindo ao governo da Grã-Bretanha que reconheça o Estado palestino, mas... “ao lado do Estado de Israel”, visando “assegurar uma solução negociada consagrando dois Estados”.

A aprovação da moção apresentada pelo deputado “trabalhista” Grahame Morris, pedindo o reconhecimento de um Estado palestino por parte de Londres uniu “democratas”, “conservadores”, “liberais-democratas” e tudo quanto é força político-eleitoreira que disputa espaço na administração imperialista britânica. Tamanho engajamento em uma causa comum só foi possível graças à inutilidade da causa, seja por causa do previsível rechaço à ideia por parte da administração de David Cameron, que deu de ombros e apenas balbuciou que sua posição “é muito clara e não vai mudar”, seja pela picardia que é a tal “solução dos dois Estados” — a velha “solução” que certas potências até admitem mencionar, ou seja, um Estado armado até os dentes e ditando as fronteiras que bem entender e o outro desarmado, vigiado, cercado e submisso até a medula.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro