Camponeses em risco

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/140/07a.jpg
PMs participaram da reintegração de posse

Duas mortes ocorreram na segunda semana de outubro próximas a Buritis, no Vale do Jamari. Esta é uma das regiões de Rondônia com mais conflitos agrários. Segundo camponeses acampados nos locais, os dois mortos eram pistoleiros que trabalhavam para latifundiários.

É indispensável conhecer a história da região e os fatos mais recentes. Há mais de vinte anos o Incra criou assentamentos da reforma agrária nas Glebas Rio Alto e São Sebastião, que somam aproximadamente duzentos mil hectares e se estendem por 7 municípios: Governador Jorge Teixeira, Campo Novo de Rondônia, Buritis, Monte Negro, Cacaulândia, Jaru e Mirante da Serra. As terras chegaram a ser cortadas pelo Incra em pequenos lotes de 50 hectares e poderiam atender até 4 mil famílias. Mas nenhum camponês foi assentado. Comenta-se na região que funcionários corruptos do Incra davam orientações a latifundiários e fazendeiros grileiros. A maior parte dessas terras são, hoje, latifúndios ou fazendas (médias propriedades). Através do link http://1drv.ms/1qHyWiR pode-se ver os mapas do Incra feitos à época.

http://www.anovademocracia.com.br/140/07b.jpg
PMs participaram da reintegração de posse

No ano de 2013, camponeses tomaram parte dessas terras e criaram o acampamento Monte Verde: a Fazenda Padre Cícero, na linha 9, em Monte Negro. A área tem 3.000 hectares e quem se diz dono é o latifundiário Nadir Jordão dos Reis. Outras tomadas de terras têm ocorrido na região, como o acampamento 10 de Maio, localizado na Fazenda Formosa, na linha 54 de Alto Paraíso. As terras somam 3.500 hectares e o suposto proprietário é o latifundiário Caubi Moreiro Quito.

 As cerca de 80 famílias vêm sofrendo várias violências. Em julho do ano passado foram despejadas pela PM. Camponeses do acampamento Monte Verde denunciaram que o latifundiário Nadir Jordão dos Reis contratou pistoleiros que atuaram junto com policiais no despejo. Treze camponeses foram presos, incluindo mulheres e crianças, cinco encarcerados sem julgamento até hoje. Eles denunciaram ameaças de morte, agressões e maus tratos por parte dos pistoleiros, policiais e latifundiário.

http://www.anovademocracia.com.br/140/07c.jpg
Moradias dos camponeses foram destruídas em ação policial

O advogado dos camponeses do acampamento Monte Verde, Dr. Ermógenes Jacinto, denunciou que recebeu ameaças de morte por defender os camponeses. A Comissão Pastoral da Terra lembrou bem em sua página da internet que, como a terra é da União, “a justiça estadual de Ariquemes teria que reconhecer a competência da Justiça Federal em julgar o conflito e suspender a reintegração de posse concedida aos fazendeiros que grilaram a terra”. E mais, como houve “conflito agrário, deveria ser julgado por juiz da Vara Agrária, e não pela justiça comum”.

Barrar a violência contra os camponeses

Alguns veículos de comunicação a serviço dos grandes proprietários se apressaram a condenar as lideranças camponesas como “bandidos” e de acusar a LCP pelas mortes. O Canal 35 de TV e a página da internet Ariquemes190 afirmaram: “Movimento LCP executa trabalhador após emboscada em Fazenda”.

Isto não é só mau jornalismo. Estes veículos expressam o pensamento e a vontade da classe latifundiária. Têm o objetivo de enganar e iludir a população e de pressionar o velho Estado a reprimir os camponeses.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O Vale do Jamari está a beira de um confronto agrário de proporções muito grandes pela combinação de vários fatores. É palco de grilagem de terras públicas cometida por latifundiários há anos e uma região que sofre desemprego crônico, além da crise econômica geral que o país enfrenta. Soma-se a isso a falência completa da “reforma agrária” do governo e a criminalização da luta pela terra por parte do governo federal, especialmente da Ouvidoria Nacional dos Latifundiários, e a única presença que o Estado tem na região é com suas polícias para dar apoio ao latifúndio.

Os camponeses precisam de todo apoio para se defender da violência do latifúndio, dos pistoleiros e órgãos do velho Estado. Ajudem a denunciar e a cobrar providências do governador Confúcio Moura, do Ouvidor Nacional dos Latifundiários Gercino José e da presidente Dilma. Queremos terra, não repressão!

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja