A crise da Sociedade das Nações

A- A A+

O peruano José Carlos Mariátegui (1894-1930), considerado um dos pensadores marxistas mais profundos e geniais das Américas, ainda é pouco conhecido pelo povo brasileiro. Analista do imperialismo e das classes sociais (pioneiro na definição de seu país como feudal/semifeudal); fundador do Partido Socialista (depois transformado no Partido Comunista do Peru, PCP); e professor nas Universidades Populares dedicadas ao proletariado; criador de revistas (como a respeitada Amauta), no Brasil poucos sabem que, além de teórico, Mariátegui foi um jornalista de abundante produção.

Assim, AND selecionou alguns de seus artigos/crônicas/reportagens e abriu esta Série Mariátegui Jornalista para apresentá-los ao público leitor nacional. Por limitação de espaço, vários dos textos serão resumidos e a Série não terá periodicidade fixa.

Para esta edição escolhemos o artigo/reportagem A crise da Sociedade das Nações, publicado em 1926, no qual o autor demonstra que a então jovem Sociedade ou Liga das Nações já nascia com sintomas de fracasso, devido aos interesses capitalistas dominantes. Ou seja: o texto ajuda a entender porque a ONU de hoje, sua herdeira, caracteriza-  se pela subserviência aos países ricos. Fadada, portanto, a um eterno fiasco.

http://www.anovademocracia.com.br/142/08.jpg

Motivado pela última dança incompetente de Genebra (Nota: assembléia lá realizada), agitou-se em todo o mundo o debate sobre a Sociedade das Nações. Desta vez uma boa parte da própria opinião demo-burguesa ficou propensa a concluir que há quebra ou fracasso na ecumênica e universalista concepção de Wilson.

Porém, na realidade, o episódio de Genebra não revelou nada de novo. É um sintoma da crise; não a crise em si mesma. A situação da Liga, antes dessa recente desventura, não era substancialmente melhor.

A verdadeira significação do incidente de Genebra não está naquilo que foi frustrado, mas sim no que foi descoberto, ou melhor, evidenciado. Que o ingresso da Alemanha (Nota: derrotada na 1a. Guerra Mundial, finda poucos anos antes) tenha sido postergado por alguns meses não tem nada de alarmante e dramático. Mas não se pode dizer o mesmo do conflito de interesses e paixões que causaram a postergação.

Esse conflito demonstra incontestavelmente que, de acordo com seus antigos hábitos diplomáticos, os Estados não vão à Liga para cooperar e sim para combaterem-se.

Segundo a doutrina wilsoniana, a Liga das Nações deveria liquidar o sistema de alianças e equilíbrio internacionais produzido pela Grande Guerra (Nota: isso seria benéfico ao capital). Mas, a despeito da Liga, o sistema subsiste.

Anuncia-se uma revisão dos estatutos da Sociedade das Nações. (Na verdade) a emenda (nas regras) começou quase no dia seguinte de sua criação. Mas não como avanço e sim como retrocesso.

(Dizem que) sua salvação parece residir na redução de suas funções, (ou seja) na deformação das suas finalidades.

A Inglaterra declara oficialmente que o Conselho (da Liga) deve estar composto exclusivamente pelas grandes potências. O humor da diplomacia européia se mostra crescentemente adverso a conceder a um distante país da América ou da Ásia, ou a um pequeno país da própria Europa, o direito de intervir em questões acaso decisivas para o destino do Ocidente. (Nota: é interessante perceber, no artigo, a notícia das primeiras maquinações para transformar o Conselho da Liga naquilo que é hoje o Conselho de Segurança da ONU, uma espécie de “igrejinha” de países ricos e/ou imperialistas.)

Se seu Conselho Supremo é convertido em uma conferência de embaixadores das grandes potências, como é o desejo dos conservadores britânicos, o que sobrará da Sociedade das Nações?

(Mesmo) um escritor reacionário, Jacques Bainville, constata com razão que a “participação dos Estados americanos ou asiáticos tende a tornar-se honorária”. Definindo a atual situação da Liga, Bainville observa que “mais ou menos reduzida a uma lista européia, (a Sociedade das Nações) é um mecanismo análogo à corte de Haya, a qual não impede nenhuma guerra.”

Os que falam do “espírito de Locarno” (Nota: tratados assinados no pós-guerra, 1925, dispondo sobre fronteiras das nações vencidas, pactos de não-invasões futuras, etc) estão tendo que aceitar, depois da derrota em Genebra, que a difusão e a influência, no mundo, do espírito de paz e cooperação são muito limitadas.

A Itália é uma das grandes potências que, teoricamente, deviam representar esse espírito. Bem sabemos, no entanto, que não faz outra coisa que sabotá-lo. O fascismo é, por natureza, guerreiro. Seus escritores se burlam vigorosamente das ilusões pacifistas. Mussolini (já) prometeu a seu povo a restauração do Império Romano.

(O papel hoje desempenhado pela Liga é muito modesto) porém nada mais que isso pode aspirar a civilização burguesa. Os serviços de estatística, de informações e de estudos, eis aí a única coisa que existe e funciona efetivamente na Liga. Ela mesma, como tal, não existe e não funciona, a não ser em teoria. Na prática, (a entidade) não é mais do que acabamos de ver na reunião de Genebra.      

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja