A crença no espírito do projeto

A- A A+

Resenha crítica sobre o livro “Os Donos do Morro”*

http://www.anovademocracia.com.br/142/05.jpg
Manifestação dos estudantes da UERJ contra a presença do comandante das UPPs em 14/10

No dia 14 de outubro, no auditório onde se realizaria um “debate” de lançamento do livro Os Donos do Morro, os organizadores da pesquisa foram surpreendidos pelo legítimo protesto realizado por estudantes da UERJ, em repúdio à presença do comandante das Unidades de Policia Pacificadora (UPPs), Frederico Caldas.

Após o ato, Dawid Bartelt, representante no Brasil da Fundação Heinrich Böll (apoiadora da pesquisa), respondeu ao Jornal O Estado de São Paulo em tom de lamento: “Eles não leram a obra e acharam que fosse um livro de apologia às UPP’s”. Sobre esta declaração, depois de ler todo livro, podemos afirmar sem dúvida que, se for verdadeira a hipótese levantada por Bartelt, os estudantes estão com a sensibilidade aguçada e em dia.

É inegável que os autores manifestam críticas às UPPs. Em contrapartida deve-se lembrar que todas são apresentadas como “equívocos” e “percalços” a serem superados no sentido de aprimorá-las ou, nas palavras dos autores, “aperfeiçoá-las”. Sendo assim, as críticas se mostram institucionais, transparecendo que de um modo geral faz-se a defesa do projeto.

Logo na apresentação, ao supor a existência (num passado recente) de apoio unânime ao projeto das UPPs, os responsáveis pela pesquisa demonstram a grande confiança que guardam ou ao menos guardavam em relação ao plano de ocupação. Entretanto, a realidade contradiz essa impressão, visto que desde o anúncio da aplicação da “nova” política de segurança pública, setores da intelectualidade, da imprensa popular, dos movimentos sociais e da sociedade civil em geral, posicionaram-se radicalmente contra o projeto da gerência estadual do Rio de Janeiro.

A farsa da “pacificação”

O ato de ignorar absolutamente esse movimento crítico ao dizer ser “algo impensável poucos anos atrás” reivindicar o fim do projeto nos revela um possível caráter promocional na pesquisa. Jamais foi impensável exigir o fim imediato do plano de ocupação e controle militarizado das favelas cariocas. Ao não enxergar o combate às UPPs, que sempre existiu, Cano transparece certa unilateralidade na sua avaliação, causando uma cegueira epistemológica que o leva inevitavelmente ao equívoco.

Os pesquisadores expõem com entusiasmo os dados que apontam uma redução expressiva no índice de mortes violentas em locais com UPPs instaladas, principalmente as que ocorrem em virtude de confrontos com policiais. Apesar de que, também na apresentação, são obrigados pela realidade a, frustrados, lembrar que tais índices, dois anos depois da conclusão do trabalho, caminham na contramão do que havia se verificado. Desaparecimentos, execuções perpetradas pela Polícia Militar, confrontos extensos e demais violações de direitos deixaram de ser pauta exclusiva da Imprensa Popular Independente e pela constância desses fatos, nem mesmo os monopólios dos meios de comunicação, formados por entidades afinadas com o projeto, puderam ignorar a crise da falácia da pacificação.

Quando, a partir de alguns depoimentos de moradores da Cidade de Deus, demonstram que há uma alteração na relação de identidade e orgulho com o local de moradia, exaltam o que caracterizam como “um dos indicadores mais marcantes de sucesso do programa”. Nesta perspectiva, “os donos do morro” são representados como as cegonhas da dignidade, promotores da provável extinção do constrangimento de se morar em favela e da libertação relacionada ao estigma da facção, garantindo aos moradores livre circulação pela cidade, inclusive por outras favelas, onde se abriria a possibilidade de frequentar o desejado baile funk – proibido no seu local de moradia pela Polícia Militar. Um verdadeiro sucesso!

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Outro relevante fenômeno apreciado e classificado como “vitória” pelos autores, desta vez no campo simbólico, refere-  se à substituição da referência. As crianças e os jovens estariam, no período pós-UPP, se distanciando do fascínio que o varejo do tráfico poderia exercer sobre eles e, numa relação inversamente proporcional, aproximando-se da influência das forças policiais. Se é que isso ocorre em grandes dimensões nas favelas ocupadas, ainda assim, só pode se caracterizar como vitória do ponto de vista das classes dominantes, até porque o exercício mais perfeito da dominação se realiza justamente quando se consegue fazer do opressor um espelho para o oprimido. Trata-se da dominação subjetiva, não pelo medo, mas pela admiração, formas complementares à violência objetiva e física. Como bem diz um dos policiais entrevistados: “não só para matar e prender, mas também para ajudar”.

Identificam uma contradição interessante entre o discurso dos oficiais sobre o projeto alinhado com as perspectivas formais do mesmo e o discurso extremamente crítico de alguns subordinados. Os oficiais, talvez somente para satisfazer a opinião pública e/ou manter seus cargos, defendem uma nova lógica de atuação da polícia, no sentido de “reformá-la” e assim tirá-la dos trilhos da prática de guerra, além de convertê-la milagrosamente em instituição garantidora de direitos fundamentais (ir e vir, liberdade de expressão...). Entretanto, os soldados e demais policiais de baixa patente apresentam uma série de reclamações que se distanciam das aspirações formais do projeto e exigem, de maneira mais ou menos direta, a guerra ou melhores condições de se inserir nesta. Partindo das críticas aos uniformes, do ponto de vista destes, inadequados à rotina policial por serem trajes sociais, passando pela amargura da limitação da sua capacidade de reprimir em caso de tensões e conflitos, até declararem a profunda insatisfação em trabalhar no regime de UPPs.

Reside nessa questão (subliminarmente) uma velha prática da Polícia Militar, que corresponde exatamente ao que é essencialmente o Estado. Devemos compreender os fenômenos a partir da maneira como se expressam na história e não a partir do que gostaríamos que fossem, sendo assim, como nos ensina a tradição marxista, o Estado constitui-se enquanto instrumento de dominação de uma ou mais classes sobre outra(s). Nessa perspectiva, uma estrutura fundamental são as forças armadas que, por meio da coerção, garantem a ordem em benefício das classes dominantes. Ordem esta que, num plano ilusório, aparece como interesse de todos, mas como pode haver interesse geral em sociedades conformadas por classes sociais de aspirações, em última análise, antagônicas, na medida em que uma sustenta sua vida por meio de apropriação da riqueza produzida pela outra?

“Paz e ordem”

O que a gerência estadual PMDB realiza, com suporte do governo federal do PT e dos monopólios dos meios de comunicação, é a venda do projeto de ocupação e controle das favelas do Rio como uma iniciativa de interesse global. Em nome da “paz”, da “ordem” e da “liberdade”, gerenciam a pobreza no bico do fuzil. Em consequência, quando algum policial recorre a métodos violentos (muitas vezes ilegais) para manutenção da “saudável paz”, apesar do comando plenamente consciente de que algo semelhante necessariamente ocorrerá, tratam de expor à opinião pública como se fosse um “caso isolado”, de responsabilidade exclusiva do indivíduo, como ação fora dos limites do planejamento, algo a ser superado e modificado. Não precisa ser um grande cientista social para identificar na repetição dos chamados “casos isolados”, o que é, na verdade, a prática institucional da corporação camuflada no discurso da promoção do “bem geral”.

A sensação gerada pela leitura de Os Donos do Morro é a de que, mesmo pontuando alguns problemas, sustenta-se uma fé no espírito do projeto. A crença num possível processo de reforma da Policia Militar, capaz de tornar a genocida entidade em protagonista da tarefa de se fazer da favela um espaço de direito, integrado e próspero em qualidade de vida, beira a ingenuidade. Confiar na probabilidade das UPPs promoverem uma participação maior e mais autônoma dos moradores nas associações é contar com o azar. Julgar viável que a atuação da PM possa algum dia, como conduta padrão, “empoderar os moradores, ao invés de decidir por eles” é patinar na ilusão. Considerar que o programa acena ou pode se apresentar como um “círculo virtuoso de pacificação, investimento e integração”, mesmo no ápice de seu “sucesso”, é negligenciar os reais interesses de quem promove, estimula e financia tal política. A serviço de quem está a pacificação? Quem realmente se beneficia? Quando existe, qual é a natureza da tal integração?

A política de ocupação militarizada dos morros cariocas, longe de representar o abandono do paradigma da guerra às drogas, ergue-se justamente como seu aprofundamento, pois, ao se pintar a figura do varejista do tráfico como “inimigo da sociedade” a ser combatido, o que se pretende justificar é a aplicação do que, na realidade, sabemos ser a guerra aos pobres. Infeliz é aquele que supõe que a criminalidade se reduzirá com tal política, que com o tráfico varejista pressionado, novas alternativas de vida se abrirão. Não percebe este que a tática das classes dominantes de gestão da pobreza é justamente sua criminalização.

_____________
*O texto completo pode ser lido no link: http://cebraspo.blogspot.com.br

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja