Luta pela terra acirrada no Pará

A- A A+

Aos companheiros de AND,

Agradecemos as recentes reportagens sobre a luta camponesa no Pará. Em uma região onde o controle absoluto dos meios de comunicação está nas mãos do latifúndio (recentemente, o provedor da internet de Santana do Araguaia tirou a mesma do ar para impedir que um comunicado do Iterpa pudesse alterar decisão judicial), a imprensa popular e democrática cumpre um grande papel. Por isso, solicitamos o mais urgente possível publicar a denúncia sobre os acontecimentos na Fazenda Cipó. Mesmo porque o próprio Iterpa (Instituto de Terras do Pará), como vocês podem ver no laudo de vistoria em anexo, comprova o que afirmam os camponeses. E em papel timbrado do governo do Pará se compromete com imediata vistoria. O latifúndio quer ganhar no grito! E nós não vamos deixar! E contamos com os companheiros para nos ajudar, divulgando os fatos. Esta denúncia está causando enorme repercussão na região, e precisa ser amplamente difundida. Obrigado. Saudações. Viva a Revolução Agrária!

Comissão Nacional das Ligas de Camponeses Pobres

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Resposta

À Comissão Nacional das LCPs e aos camponeses do Pará,

Para nós é um dever e uma honra noticiar a luta dos camponeses pela conquista da terra e pelo fim do latifúndio. Para o entendimento dos leitores, achamos importante citar aqui trecho da denúncia enviada a nossa redação pela LCP do Pará:

“Na última semana retomaram os ataques na fazenda Cipó, área reivindicada por 69 famílias camponesas da região do Batista, Novo Horizonte, Sariema, Cahada Vermelha, e São Jancinto, no município de Santa Maria das Barreiras.”

A LCP denuncia a ação de 15 pistoleiros a mando de Vânia Banbinsk com reforço de pistoleiros de outros latifundiários. A área foi tomada há um ano e oito meses por 69 famílias camponesas que aguardam a regularização das terras pelo Incra e Iterpa.

No laudo técnico de vistoria citado pela Comissão Nacional das LCPs na carta, datado de 6 de outubro de 2014, o engenheiro José Lúcio da Rocha Vaz certificou que “não foi constatada nenhuma benfeitoria” na área reclamada por Honorato Babinski, “somente uma cerca de arame liso” e outro pedaço com estacas não furadas sem arame deteriorados pelo tempo. Não constatou nenhum funcionário ali trabalhando, “bem como a existência de qualquer cultura, implementação de projetos em andamento ou parados, ou a existência de máquinas naquele local”.

E relata a presença das famílias que estão há quase dois anos na área com plantio de mandioca, banana e abacaxi.

Já o documento com timbre do governo do estado do Pará citado pela LCP fala em, com a decisão do juiz e agora com o relatório de vistoria já entregue pelo técnico responsável, o Iterpa compromete-se em “acelerar a plotagem dos dados” e “o cadastramento das famílias da área”.

Agradecemos o envio da notícia e seguiremos acompanhando e noticiando as lutas dos camponeses do Pará.

Saudações de Nova Democracia!

A redação de AND.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja