Cangaceiros e (intelectuais) fanáticos

http://www.anovademocracia.com.br/143/15.jpg

Há pouco mais de cinquenta anos o jornalista comunista Rui Facó publicava o livro Cangaceiros e Fanáticos, obra que se tornaria uma das mais importantes análises sobre o cangaço e o que se convencionou chamar de “messianismo”.  Movimentos camponeses multitudinários com acentuados traços de sincretismo religioso que sacudiram os sertões do Brasil desde os finais do século XIX até as primeiras décadas do século XX.  

Facó se contrapõe aos posicionamentos reacionários dos monopólios da imprensa e de vasta parcela da intelectualidade do período que apontava como causa de movimentos como Canudos, Contestado, Caldeirão e Pau de Colher um pretenso “fanatismo religioso”, resultante do isolamento geográfico e cultural das populações sertanejas naquele momento histórico.

A partir de uma análise criteriosa sobre a formação socioeconômica do Nordeste brasileiro, o autor demonstra de forma patente ser a questão agrário-camponesa, da brutal concentração fundiária e da existência do sistema latifundiário com suas relações de produção semifeudais, a base sobre a qual se ergueram estas colossais lutas camponesas no período, despertando contra si o medo e ódio do latifúndio, da grande burguesia e do velho Estado.

 Não assistimos mais ao agrupamento de milhares de massas camponesas, seguindo beatos e falsos profetas como Antônio Conselheiro e em guerra contra o clero e o governo pelos rincões do país. Mas, prosseguem ainda mais fortes do que outrora, os intentos das classes dominantes em encobrir a verdadeira base e significado do que chamam genericamente de “conflitos no campo”. Ou seja, a secular e persistente luta dos camponeses pobres sem terra ou com pouca terra contra o sistema latifundiário.

“Nunca antes na história deste país” se investiu tanto na produção e difusão de teorias anti-científicas que visam mistificar a questão agrário- camponesa. Neste sentido, a polêmica travada por Facó é mais do que atual. Por trás do discurso politicamente correto do multiculturalismo de “povos tradicionais” e “territórios”, intelectuais pagos a peso de ouro pelo governo e ONGs imperialistas reinventam o discurso dos “fanáticos”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza