Bizarra sessão do congresso expõe projeto de despolitização em curso

http://www.anovademocracia.com.br/143/09.jpg
Ridículo "protesto" de almofadinhas

Quando enfim for rendido por outra fração do Partido Único, entre os maiores “legados” que o gerenciamento PT-pecedobê deixará para o vasto rol de bizarrices políticas, certamente estará a cena em que distinto senador da República, Ronaldo Caiado, ex-presidente da UDR, a nefasta associação de ruralistas escravocratas acusada de ser a responsável pelos assassinatos de centenas de camponeses, foi até as galerias do senado defender com as próprias mãos, ante a truculência da polícia do congresso, o “povo” que protestava contra a iminente aprovação de uma medida cara ao “governo” Dilma.

Explica-se o contexto da patuscada: no último dia 2 de dezembro o gerenciamento Dilma fez sua quarta tentativa de aprovar no congresso uma proposta que desobriga o Executivo de cumprir a meta fiscal de 2014. A sessão foi tumultuada por duas dúzias de “manifestantes”, aparentemente a soldo da “oposição”, protestar contra a manobra. Remunerada ou não, trata-se de gente que dificilmente será vista ao lado do povo nas ruas, nos protestos consequentes e classistas; trata-se de gente que, no máximo, engaja-se na tal “luta institucional”, ou seja, em defesa das instituições de um Estado burguês-latifundiário.

Após um tumulto ainda maior gerado pela tentativa da polícia do congresso de esvaziar as galerias da casa, a sessão acabou cancelada e remarcada para a manhã do dia seguinte, com galerias fechadas, quando afinal o gerenciamento Dilma conseguiu aprovar o que queria.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Além do arroubo “democrático”, por assim dizer, de Ronaldo Caiado, aquele dia teve ainda uma dobradinha entre o “presidente” do senado, a velha raposa Renan Calheiros, e a senadora revisionista Jandira Feghali: ela se manifestando profundamente escandalizada com um xingamento vindo das galerias a uma colega de pecedobê, a deputada Vanessa Grazziotin, e ele aproveitando a deixa para mandar a polícia do congresso expulsar na marra as “26 pessoas assalariadas” que bagunçavam a sessão.

Ainda naquele dia o candidato do PSDB derrotado na última farsa eleitoral, Aécio Neves, que após as eleições reassumiu sua cadeira de senador, foi outro representante das fileiras da velha direita a tentar posar de “progressista” no esteio da podridão generalizada e da falência total até mesmo do mero discurso “à esquerda” de Dilma, além do monstrengo reacionário que é a sua “base de apoio” renan-pecedobista, por assim dizer. Diante das cenas de seguranças engravatando velhas dondocas e tacando choque em jovens e frágeis professores de História “sem estrutura física” — e que nas redes sociais pedem punições para quem pegou em armas contra o gerenciamento militar —, Aécio não perdeu a oportunidade de cacarejar que impediram “o povo brasileiro” de participar daquela sessão e que faltou “respeito à democracia”.

Para completar o circo dos horrores, no dia seguinte, à hora da sessão remarcada para a votação, eis que surge o cantor Lobão na porta do congresso nacional gritando que “é imoral impedir o povo de entrar na casa do povo”... Ele, que anda liderando “manifestações” de meia-dúzia de fascistas mais alvoroçados que pretendem a deposição do gerenciamento petista em prol de um “governo”, digamos, sem ex-operários e ex-guerrilheiros.

Tudo isto, ou seja, todo este cenário em que alguns dos maiores e mais notórios membros da velha direita e ingratas revelações das fileiras do fascismo se sentem à vontade para posarem de defensores do povo e da liberdade de manifestação, e sem que sejam constrangidos, é fruto de uma mixórdia de equívocos envolvendo a pequena política e conceitos políticos mais amplos, onde tudo se confunde, inverte-se, mistifica-se sob a égide do grande esforço de despolitização das massas promovido pelo PT-pecedobê.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin