Expressão de luta e arte

Com trabalho artístico de cunho social, o Teatro de Expressão Sol (Tesol) vem há 38 anos divulgando essa arte em Taboão da Serra, SP, sendo precursor na cidade. Fundado e dirigido pelo peruano Daniel Diez, o grupo luta contra falta de verbas e prepara a estreia de mais um espetáculo.

http://www.anovademocracia.com.br/144/13a.jpg

— Cheguei no Brasil em 1964 e comecei fazer teatro na  Escola de Artes Dramáticas, do Alfredo Mesquita. Me juntei com o grupo Tuca de teatro da PUC-SP. Montamos Morte e Vida Severina, com a trilha sonora de Chico Buarque — conta Daniel.

— A repressão da ditadura militar era muito forte, muita perseguição. Eles vinham atrás de nós mesmo para nos prender. Por causa disso tive que fugir em 1967, voltar para o Peru. Dois anos depois decidi voltar e continuar fazendo teatro político social, mesmo correndo riscos.

— Cursava agronomia lá no Peru, mas preferi o teatro e especificamente no Brasil. Me matriculei na Faap [Fundação Armando Álvares Penteado], e voltei a participar de montagens, entre elas Macunaíma, de Mário de Andrade, e O Diletante, de Martins Pena — acrescenta.

Com a esposa e atores que se juntaram a ele, Daniel começou o movimento de teatro em Taboão da Serra, grande São Paulo.

— Vim para Taboão porque havia comprado um terreno aqui, de 400 metros mais ou menos, com uma casa pequena no fundo. Então comecei a construir o espaço que temos hoje, a sede do grupo.

— Muitas vezes ensaiava as peças na sala da minha casa. Depois comecei a rodar com os espetáculos e o dinheiro arrecado era dividido entre os atores, e uma parte ficava para comprar cimento, pedra, areia — continua.

— Assim fui construindo o anfiteatro, que, pela pouca verba, até hoje ainda não está terminado. Mas tem um palco, saguão, plateia e um camarim ainda inacabado.

O nome do grupo veio da ideia que o ator e diretor Eugênio Kusnet tem sobre teatro.

— Fiz um curso com o Eugênio, uma figura muito importante para o teatro brasileiro, e ele falava que o ator era o sol, o centro. Todo o resto da cena, que são figurino, cenário etc., eram os planetas — explica.

— Por eu ser peruano, todo mundo achava que como os incas adoravam o sol eu havia colocado Tesol, mas foi só por causa desse pensamento do Eugênio Kusnet. A princípio significava Teatro Experimental Sol, porque nas décadas de 60 e 70 todos formavam grupos experimentais.

— Depois tirei o experimental e coloquei de expressão, porque uni a dança ao teatro. Já montei muitas peças de teatro, dança, porque essa é uma arte que também aprecio muito — acrescenta.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin