Haiti: USA e comparsas desviaram doações

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/145/16a.jpg
Haitiana funcionária de uma das sweat shops

Montanhas de dólares destinados ao Haiti como ajuda mundial após o terremoto de janeiro de 2010, que deixou 250 mil mortos e mais de um milhão de desabrigados, foram desviados por uma Comissão e um Fundo “humanitário” ianques dirigidos pelos ex-presidentes Bill Clinton e George W. Bush para a construção de hotéis de luxo.

Além disso, hoje, enquanto boa parte do povo haitiano segue passando fome e ocupando espaços imundos em barracas superlotadas, as corruptas “autoridades” locais, subalternas  das potências capitalistas, sustentam a logística da maioria das 10 mil ONGs presentes no país, cujo custo consome nada menos que 60% do orçamento oficial.

Estas denúncias foram publicadas na internet em 19 e 22 de janeiro passado, pelos sítios Rebelión e Nodal, através do artigo Haiti 5 anos depois, de Fabrizio Lorusso. Italiano morador no México, este jornalista com mestrado em Economia/Comércio e doutorado em Estudos Latinoamericanos esteve no Haiti no pós-cataclismo, e desde então acompanha os crimes que o imperialismo vem cometendo na semicolônia, bem como a combativa resistência de um povo que não se entrega.

Para onde foi o dinheiro?


Bush e Clinton em visita ao Haiti

Publicamos a seguir uma síntese/adaptação do artigo de Lorusso.

Açoitado de maneira brutal por um sismo, o Haiti tem vivido na miséria nos últimos 5 anos. (E apesar de políticas assistencialistas e doações), os fundos foram desviados para a construção de hotéis de luxo, enquanto o país segue imerso na pobreza. Em 2014, a crise política que culminou com a renúncia do primeiro-ministro Lamothe teve como desenlace uma onda de manifestações populares e dezenas de presos políticos. O presidente Martelly “suspendeu” o parlamento em 13 de janeiro (último) e agora pode governar por decreto.

(...) Depois do terremoto começou uma hipócrita competição de solidariedades. Quem doaria mais? A ONU, governos, empresas, cidadãos, sítios da web, associações e ONGs verteram uma massa de promessas estimadas em cerca de 11 bilhões de dólares. Depois de um ano, só 5% disso tinham sido enviados e a verdadeira competição se deu então (entre companhias apadrinhadas por “doadores” capitalistas) para ganhar licitações de obras.

A gestão dessa dinheirama foi outorgada à Comissão Interina para a Reconstrução, dirigida pelo ex-presidente dos USA, Bill Clinton. Portanto é fácil entender quem manda, na realidade, no uso das doações. Apesar do fluxo de dinheiro prometido, a remoção dos escombros demorou mais de 4 anos.

Hoje mais de 80% destes foram eliminados, porém a reconstrução foi orientada à edificação de luxuosos hotéis, empresas maquiladoras (superexploração da mão de obra local) e fábricas têxteis que se dedicam mais a beneficiar investidores estrangeiros do que a resolver as necessidades da população. (OBS: As maquiladoras estão entre as conhecidas como sweatshops, ou seja “fábricas miseráveis”, implantadas por empresários do USA que pouco respeitam o salário mínimo nacional de 4,5 dólares por dia, por si já muito baixo.)

Em 2012, quando meio milhão de pessoas ainda viviam em barracas, um “fundo humanitário” de Clinton e George W. Bush destinou 2 milhões de dólares ao hotel Royal Oasis. Depois, ainda com 300 mil desalojados na capital, a Corporação Financeira Internacional, integrante do (“solidário”) Banco Mundial, optou por financiar um novo Hotel Marriott.

Ambos estarão em boa companhia: graças aos fundos da solidariedade internacional e a benefícios fiscais invulgares, a ianque Best Western e a espanhola Occidental Hotels & Resorts “ressurgirão” dos detritos pelo “bem estar” turístico da ilha.

(É assim que) mecanismos de cooperação e fatias das doações servem como engrenagens na abertura de novos mercados, atrativos para as transnacionais e firmas da elite (burguesa) nacional.

Resistência camponesa


Em meio à fome, USA deu U$2 mi para construção de hotel

(...) Em 2014 e 2015, com 140 mil pessoas ainda espalhadas por 243 campos de desalojados (e enfrentando uma epidemia de cólera que já provocou 9 mil mortes e 750 mil contágios), a meta internacional não é a construção de casas populares, e sim projetos hoteleiros e a expropriação/privatização das costas e ilhas haitianas, como é o caso da Île à Vache. Este pequeno paraíso tornou-se alvo de empresários ianques e dominicanos, entre outros.

Mas o Coletivo de Camponeses de Île à Vache (KOPI), fundado em 2013, tem lutado para defender os moradores da emigração forçada (OBS: Quantos deles não estão vindo ao Brasil?), da expulsão de suas próprias terras e da crise alimentar e ambiental que os  mega-projetos turísticos estão acarretando: desmatamento, redução dos cultivos e 20 mil habitantes removidos pelos policiais das “brigadas motorizadas”, em troca da promessa de 2 mil empregos, auspiciados pelos operadores turísticos na região, e por 1.500 residências que ocuparão inteiramente as costas da ilha.

(...) A imprensa mundial tende a apresentar os problemas do Haiti de maneira tendenciosa,  como se a pobreza endêmica, o desmatamento, o cólera, etc, tenham sido produzidos por um povo inconsciente ou por um clima adverso.

(Por outro lado tal imprensa) minimiza as responsabilidades de governos e agências estrangeiras que repartem entre si as doações, os programas e os benefícios, e das multinacionais que dominam a economia da ilha.

O mesmo acontece com o papel corrupto da (chamada) elite política nacional, aliada das potências mais influentes na história haitiana, como França, USA e Canadá. Pouco se fala dos esbanjamentos e custos logísticos das mais de 10 mil ONGs presentes no Haiti que, na maioria dos casos, constituem mais de 60% do orçamento.

(...) Também a militarização é um fato inconteste pouco mencionado. O território haitiano é ocupado por exércitos estrangeiros cada vez que há alguma crise, como sucedeu após o terremoto, quando chegaram mais de 20 mil marines ianques. Além de tudo o Haiti é controlado permanentemente por uma força internacional, a MINUSTAH (OBS: Da qual o Brasil faz parte).

A ingerência desta milícia policial-militar forânea foi justificada pela suposta violência das cidades haitianas e dos conflitos políticos internos que gerariam instabilidade em toda a região.

(Porém) o Haiti não é um país violento: sua taxa de homicídios é de 7 por 100 mil habitantes, enquanto a média no Caribe é de 17,  no México é de 24 e em Honduras 91.

(*) Tradução, síntese/adaptação do artigo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja