União Europeia financia guerra civil na Ucrânia

http://www.anovademocracia.com.br/145/15b.jpg
Chefes de Estado em ato "contra o terrorismo" na França

A União Europeia, cujos três principais chefes políticos, François Hollande, Angela Merkel e David Cameron, mais que nunca dão os braços ao sionismo, não se fez de rogada em repassar nada menos que 1,6 bilhão de euros ao gerenciamento de cunho abertamente fascista de Petro Poroshenko entre 2014 e os primeiros dias de 2015. Esses mesmos quatro mandatários deram os braços ao terrorista Benjamin Netanyahu, na “marcha pela Paz” em Paris na sequência dos ataques ao jornal satírico Charlie Hebdo - para condenar um tal “fascismo islâmico”.

A UE caminha assim na direção do vento da demagogia reinante no mundo da geopolítica, ou seja, a política das potências imperialistas, e no sentido oposto ao que estabelece até mesmo os seus próprios tratados internos, segundo os quais o bloco só poderia colocar em prática uma “ajuda” deste montante a um país que estivesse enfrentando severos problemas em sua balança comercial.

Todos os mais atentos aos engendros da geopolítica sabem, entretanto, que a UE vem despejando recursos na Ucrânia por causa do cenário do cabo de guerra interimperialista que ali se dá entre o “Ocidente” e a Rússia pelo controle daquela nação estratégica no âmbito dos esforços correntes pela repartilha do mundo entre os monopólios em crise. E mais: Bruxelas está se preparando para destinar ao gerenciamento fascista e terrorista de Kiev um novo repasse, este da ordem de 1,8 bilhão de euros - mais uma “bolada” para fomentar a guerra civil.

Todo este dinheiro europeu serve, em outras palavras, para ajudar a financiar o que muitas organizações internacionais ditas de “direitos humanos”, ou de defesa deles (mesmo em um mundo regido por senhores da morte e da miséria, onde a violação dos direitos mais fundamentais é a regra, e não a exceção) já classificam como “catástrofe humanitária”, com cerca de 5 mil mortos desde abril do ano passado e até a virada de 2014 para 2015, e mais de um milhão de pessoas obrigadas a deixarem suas casas, entre deslocados internos e refugiados em países vizinhos, a maioria na Rússia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro