Manoel Lisboa: grande comunista, herói de nosso povo

A- A A+
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Há 71 anos, em 21 de fevereiro de 1944, nasceu, em Maceió - AL, o grande dirigente comunista Manoel Lisboa de Moura, o “Galego”, “Celso”, “Zé” ou “Mário”, como era conhecido pelos seus camaradas, pelos operários, camponeses e estudantes.

Ingressou muito jovem nas fileiras do Partido Comunista do Brasil. Após o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) e o golpe revisionista de Nikita Kruschov, Manoel Lisboa combateu a linha revisionista do PCB de Prestes e participou do processo de Reconstrução do partido em 1962 que deu origem ao PCdoB.

A partir de 1966, ao lado de Amaro Luiz de Carvalho, o “Capivara” — que retornara da China, onde realizou cursos de formação político-militar e convencera-se de que o Nordeste deveria ser a principal região de atuação dos comunistas para a deflagração da revolução no Brasil —, Manoel Lisboa e outros militantes comunistas rompem com o PCdoB e organizam, a partir do Nordeste do país, o Partido Comunista Revolucionário (PCR).

Manoel Lisboa combateu implacavelmente o revisionismo. Encarnando a ideologia do proletariado, o marxismo-leninismo-Pensamento Mao Tsetung (como era designado o maoísmo à época), colocou-se à frente da luta para que os comunistas brasileiros compreendessem que “o cerne da estratégia do proletariado e de seu partido é a guerra popular através da guerra de guerrilhas”, posição expressa na Carta de 12 pontos aos comunistas revolucionários, documento fundamental do Partido Comunista Revolucionário.

Defendendo e aplicando essa compreensão, o PCR, dirigido por Manoel Lisboa, Amaro Luiz de Carvalho, Emanuel Bezerra, Manoel Aleixo, entre outros valorosos quadros, encabeçou históricas lutas dos canavieiros e greves combativas, organizou um vigoroso e combativo movimento estudantil e empreendeu importantes ações armadas, como incêndio de monoculturas do latifúndio e expropriação de armas para a luta revolucionária.

Em 1973, Manoel Lisboa foi preso e assassinado sob brutais torturas. Ele contava apenas 29 anos de idade. Sua pouca idade contrastava com sua maturidade política, firmeza ideológica e inquebrantável decisão de servir às massas e a revolução. Ele deixou um conjunto de escritos e exemplos que continuam a inspirar novas gerações de homens e mulheres que lutam por um Brasil livre da opressão e exploração.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja