Tradicional estilo próprio de samba

A- A A+

Outro autêntico representante do samba paulistano, 80 anos de vida e história, Germano Mathias tem um jeito todo especial de trabalhar sua arte, interpretando cada canção. Determinado, Germano gosta de gravar canções antigas, muitas que até vivenciou na ocasião de seu lançamento.

http://www.anovademocracia.com.br/145/12.jpg

— Nasci em 02 de junho de 1934 e desde menino me interessei por samba, participando das rodas dos engraxates, na Praça da Sé. Comecei no rádio como calouro e fui me apresentando aqui e ali, tentando uma oportunidade.

Germano nasceu na capital paulista, e em 1955 foi contratado como artista na rádio que frequentava como calouro.

— Meu primeiro sucesso foi Minha nega na janela, em parceria com o Doca. E fui ganhando alguns prêmios: o Roquete Pinto, o Prêmio Guarani. Ganhei medalha dos cronistas aqui em São Paulo com o samba Guarda a sandália dela, que é de minha autoria — relata Germano.

— Recebi até o apelido de Catedrático do Samba, dado por um saudoso jornalista, porque ganhei o diploma de Bacharel do Samba, Ordem da Palheta Dourada, da escola de samba X-9.

Por conta de seu jeito especial de interpretar sambas desde o princípio da carreira, seu primeiro disco ganhou o nome de Germano Mathias, o sambista diferente, em 1957.

— Uma apresentação de samba tem que ter muito jogo de cena, muita movimentação. Sou um sambista que acha que não é só chegar e cantar, tem que interpretar a música — fala.

 — Se não fizer assim fica tudo igual, entra um e sai, vem outro e é tudo a mesma coisa. A pessoa não samba, não vive aquilo ali.

— Digo que subo no palco para agradar o pessoal e acho que agrado mesmo — diz o sambista, que também ficou conhecido por utilizar utensílios comuns para marcar o ritmo de sua música.

Germano se define como um sambista tradição, um sambista raiz.

— Faço uma música que não tem distorção harmônica, nem deturpação no ritmo. Um samba sincopado, com divisão marcante, uma mistura de swing e gafieira. Acho que um dos poucos que canta esse estilo — acredita.

— E sou acompanhado por um conjunto que me entende muito, formamos um casamento perfeito. E é bem tradição, é bem cavaquinho, violão, trombone, surdo, pandeiro e percussão.

— Ele tem até um nome engraçado, e fui eu mesmo que coloquei esse nome: Segura o Tombo. Porque se não segurar ele cai mesmo — brinca.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja