Recife Antigo ocupado pela PM

A- A A+
Pin It
http://www.anovademocracia.com.br/145/08a.jpg
Projetação critica a elitização do Recife Antigo: "Cidade para quem?"

O Recife Antigo, bairro histórico e boêmio da capital pernambucana, constitui hoje um ambiente de disputas entre cachorros bem grandes — Porto Digital, Porto Novo Recife e Prefeitura — e a sociedade civil. A noção de espaço público que ainda se tinha do bairro como um bem de uso coletivo vem sendo “tratorada” pela prefeitura e monopólios.

Nos últimos anos o bairro do Recife Antigo foi marcado pelo abandono quase completo pelo poder público, o que levou à decadência da vida cultural e a consequente falência de diversos pequenos empreendimentos como boates, bares e restaurantes. Esse abandono motivou a criação de um movimento espontâneo dos jovens que passaram a ocupar este espaço e que chegaram a promover alguns atos exigindo que o poder público retomasse a promoção da vida cultural do bairro.

A resposta do poder público veio através da criação de atividades de lazer, cultura e o incentivo a prática de esportes, aos fins de semana, voltados à classe média. Como se fora sincronizada, a ação do poder público antecedeu a atual reinauguração dos antigos galpões do porto do Recife, transformados em bares e restaurantes da mais fina gastronomia, e a ocupação do bairro por um forte efetivo militar: a Guarda Municipal, o GATI, a PM, o GOE e até a tropa de choque, transformando o Recife Antigo numa verdadeira UPP. Ironicamente, a sensação de insegurança e a violência parecem ter aumentado na mesma proporção da suposta “segurança” promovida pelo Estado.

Sob a alegação de tentar resolver essa celeuma da insegurança no Recife Antigo, o prefeito Geraldo Júlio anunciou uma série de medidas a serem implementadas no bairro histórico da cidade. Dentre elas estão a proibição da venda de bebidas em garrafas de vidro, a proibição de jovens menores de dezoito anos de terem acesso ao bairro sem a presença dos pais ou responsáveis, revistas com direito a detector de metais nas pontes que dão acesso ao bairro etc. Desde dezembro, a prefeitura do Recife já vinha distribuindo panfletos na região em que proíbe a ocupação do Marco Zero por skatistas, ciclistas e patinadores. A justificativa para tal restrição é motivo de divergências dentro da própria prefeitura — uns dizem que o intuito é preservar o piso da praça, enquanto outros afirmam que é para evitar acidentes. Ademais, comerciantes ambulantes também foram obrigados a deixar o local.

http://www.anovademocracia.com.br/145/08b.jpg
Policiamento ostensivo. Alvos: pobres e negros

As medidas apontadas pelo prefeito Geraldo Júlio (PSB) para garantir a segurança, no entanto, tornaram-se alvo de inúmeros questionamentos por parte da população assim que foram anunciadas. Tais questionamentos revelam a urgente necessidade de discussão junto à sociedade antes de qualquer implementação.

Na noite do último dia 11, integrantes da Frente Independente Popular de Pernambuco (FIP Praieira) estiveram na Praça do Arsenal e no Marco Zero fazendo panfletagens e projeções, denunciando o aumento da tarifa de ônibus na RMR e a ocupação militar daquele espaço.

Durante as atividades, presenciaram dois momentos de correria. O primeiro, motivado por um boato de arrastão, foi seguido pela inserção de um forte contingente policial que revistou e levou vários jovens detidos, sob o aplauso da multidão ali presente. Cerca de uma hora depois foram estas mesmas pessoas que aplaudiram a abordagem seletiva e a ação truculenta que se tornaram vítimas da ação da PM. Além dos ativistas da FIP, dezenas de relatos na internet dão conta que uma viatura da Polícia Militar, saindo de uma das ruas do entorno do Marco Zero, adentrou a praça dando ao menos cinco tiros para o alto, esvaziando quase por completo o local.

O lamentável episódio ocorrido naquela noite é injustificável. Não se sabe se em algum momento houve arrastão ou se tudo não passou de conflitos entre grupos rivais. Também é certo que no momento dos tiros nada de anormal fora notado naquela praça. Ainda que houvesse, nada justificaria descarregar uma arma, mesmo que para o alto, em uma praça lotada de pessoas.

É de se questionar como é possível que, com tantos efetivos policiais, a ação de criminosos possa ser possível, deliberada e generalizada como os veículos dos monopólios de comunicação local têm retratado. E sendo, se este é o modus operandi que a população deve esperar da polícia militar de Pernambuco. O que mais chamou a atenção neste caso é que a responsabilidade do caos instalado naquele espaço repleto de famílias, crianças, amigos e comerciantes foi da própria polícia.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A presença policial é sempre mostrada como sinônimo de segurança ao cidadão. Essa lógica, no entanto, tida como uma verdade por setores da classe média, parece ser posta em xeque na cidade do Recife. Desde que essa verdadeira UPP foi montada, nos deparamos com relatos de abordagens de caráter preconceituoso dirigidas a determinados grupos de frequentadores do local. Um dos exemplos mais conhecidos é o do estudante de ciências sociais da UFPE, Siilas Veloso, que denunciou nas redes sociais que, no último dia 6 de janeiro, em menos de trinta minutos foi alvo de duas abordagens policiais promovidas pelo GATI e, em seguida, pela Guarda Municipal. Em comum o caráter vexatório, preconceituoso e intimidador das abordagens. A verdade é que existe um claro recorte de cor e de classe na escolha e na forma de abordagem feita pela polícia. Curiosamente, mesmo com toda essa ostensividade policial, o clima de medo, insegurança e violência crescem na mesma medida da presença policial.

Parece, de fato, existir uma articulação para criar um clima de medo que justifique as medidas de segurança adotadas pela prefeitura e a ação violenta da polícia contra uma parcela da população que frequenta aquele local. Medidas higienistas, ilegítimas, continuidade do processo iniciado por Eduardo Campos para intimidar, expulsar e esconder a parcela da população que é indesejada naquele espaço pela clientela elitista dos empreendimentos recém-chegados. Uma juventude pobre, muitas vezes preta, que ocupou aquele espaço quando o poder público o tinha abandonado e que agora é alvo da ação do mesmo.

Para mais informações:

http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2015/01/13/bairro-recife-tera-bloqueios-para-evitar-avanco-de-violencia/

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/outros/ultimas-noticias/46,37,46,11/2015/01/18/interna_vidaurbana,555492/dois-adolescentes-sao-apreendidos-nas-revistas-do-recife-antigo.shtml

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/outros/ultimas-noticias/46,37,46,11/2015/01/11/interna_vidaurbana,554085/recifenses-relatam-confusao-e-tiros-no-marco-zero-neste-domingo.shtml

https://www.facebook.com/pages/O-outro-lado-naMoeda/503951183081279?fref=ts

Alguns relatos no Facebook sobre as abordagens

https://www.facebook.com/tsavanne/posts/10202672052757560

https://www.facebook.com/siilas.veloso.9/posts/1600283056867433

Relato e vídeo sobre a situação

https://www.facebook.com/video.php?v=10152613402603365&pnref=story

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja