Ontem e hoje, o linchamento dos negros no USA

A- A A+
Pin It
http://www.anovademocracia.com.br/146/19a.jpg
Um dos inúmeros casos covardes ocorridos no USA

Um relatório intitulado Linchando na América: Confrontando o Legado do Terror Racial é o resultado de quase cinco anos de investigação feita pela Iniciativa para Justiça e Igualdade (EJI, sigla em inglês), com sede em Montgomery, Alabama, que pesquisou linchamentos ocorridos em 12 estados do sul entre 1877 e 1950. O relatório apura décadas de violência contra negros — homens, mulheres e crianças — no USA mortos por “linchamentos de terror”.

Os locais onde ocorreram quase todas essas mortes, no entanto, permanecem sem identificação no que o relatório chama de “surpreendente ausência de qualquer esforço para reconhecer, discutir ou abordar” a violência que ocorreu. Os autores afirmam que o país não poderá cicatrizar-se completamente deste capítulo doloroso de sua história até que seja  reconhecida a devastação feita e os efeitos residuais desses atos.

Bryan Stevenson, diretor do EJI, disse que a organização planeja erguer monumentos e memoriais nas comunidades onde ocorreram os linchamentos como uma maneira de romper o silêncio e iniciar uma discussão a respeito.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

“É importante começar a falar sobre isso”, disse Stevenson, continuando: “Esses linchamentos eram de uma tortura e violência extremas. Eles foram, por vezes, feitos com a participação de toda a comunidade branca. Outras vezes, não foi suficiente apenas linchar uma pessoa que era o alvo, mas era necessário também aterrorizar toda a comunidade negra, queimar igrejas e atacar as casas dos negros. Eu acho que esse tipo de história realmente não pode ser ignorada”.

“Eu também acho que a época do linchamento criou uma narrativa de ‘diferença racial’, uma ‘presunção de culpabilidade’; a presunção de periculosidade que foi atribuída aos negros em particular. E essa é a mesma presunção de culpa que pesa sobre crianças e jovens que vivem em áreas urbanas, que são, às vezes, ameaçados ou baleados e assassinados por agentes da lei.”

A EJI planeja arrecadar fundos e erguer monumentos em honra à memória dos negros linchados e assassinados nessas comunidades como forma de homenageá-los e para que sua história não caia no esquecimento.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja