Syriza assina “contrato” que perpetua arrocho

http://www.anovademocracia.com.br/147/17a.jpg
Manolis Glezos em manifestação contra políticas de arrocho da UE

A crônica do oportunismo fantasiado de “esquerda”, sobretudo aquele travestido de “esquerda radical”, contém elementos comuns que tornam inconfundível a paisagem do caminho trilhado por legendas eleitoreiras que se viabilizam ao gerenciamento de Estados mundo afora arvorando-se em “defensoras do povo”, mas que na prática e justamente defendem os interesses das forças político-econômicas que lhe são antagonistas, tudo sob a indumentária mistificadora da conciliação entre ricos e pobres, opressores e oprimidos, exploradores e explorados, capital e mundo do trabalho.

Dentre estes elementos, um dos mais recorrentes é que, mais cedo ou mais tarde, velhas figuras mais ou menos verdadeiramente comprometidas com as lutas populares do passado em seus respectivos países, mas que no fim da vida e das contas acabaram se alistando nas fileiras do oportunismo eleitoreiro (ou seja, encampando a ilusão de que dos sufrágios levados a cabo sob e para uma ordem capitalista pode sair algo de verdadeiramente bom para as massas), arvoram-se em surpreendidas com os acordos lesa-povo assinados ou renovados entre a “esquerda” eleita e as forças contra as quais, na retórica (e apenas na retórica), ela jurava que iria combater.

http://www.anovademocracia.com.br/147/17b.jpg
Desculpas por ter mantido ilusões constitucionais e c/ o Syriza

Agora mesmo, na Grécia, um ícone da resistência antifascista no país, Manolis Glezos, de 92 anos de idade e que nesta idade virou “eurodeputado”, representando não o povo grego, mas o Syriza na instância legislativa da Europa do capital monopolista, o Parlamento Europeu , o velho Glezos, dizíamos, foi a público demonstrar estupefato diante do acordo assinado entre o ministro das finanças Yanis Varoufakis e o Eurogrupo, perpetuando o “resgate” ao Estado grego e, por consequência, o arrocho ao povo – tudo com que o Syriza, em campanha eleitoreira, garantia que iria romper.

“Peço desculpas ao povo grego por ter participado desta ilusão”, escreveu Manolis Glezos em artigo publicado na imprensa grega apenas dois dias após a assinatura em Bruxelas da renovação de compromisso, ou do “contrato” como o chamou Angela Merkel , entre o seu Syriza e os cabeças da “austeridade”. No artigo, o velho resistente ainda lamenta-se: “Não pode haver nenhum compromisso entre oprimido e opressor”. Ora, surpreendeu-se ele com a total e absoluta incapacidade de se fazer algo em benefício do povo quando se está empenhado em restaurar a “normalidade” do sistema de opressão?

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Às vésperas de Varoufakis firmar o “contrato” que salvaguardou os interesses do grande capital europeu na Grécia e deitou por terra de uma vez por todas o cacarejo “anti-austeridade” do Syriza, uma mulher grega de 63 anos de idade atirou-se do quinto andar de um prédio de mãos dadas com seu filho, de 27 anos. Ambos morreram na hora. Ela tinha Alzheimer e, depois que o gerenciamento da Grécia lhe ceifou o direito que tinha a uma pensão por deficiência, não conseguia mais pagar sequer o aluguel do apartamento.

Vendo se desvanecer dia após dia a ilusão de que do resultado das urnas poderia vir um alívio a ilusão que o velho Glezos ajudou a criar , aquela senhora e aquele jovem optaram por colocar um fim a tanto sofrimento, ainda que suicídio algum coloque fim a tanta injustiça, nem mesmo com uma disparada de 43% do número de pessoas que matam a si próprias na Grécia em comparação com os anos “pré-crise”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza