Riqueza cada vez mais nas mãos de poucos

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

“Têm-nos censurado, a nós, comunistas, de que quereríamos abolir a propriedade adquirida pessoalmente, fruto do trabalho próprio — a propriedade que formaria a base de toda a liberdade, atividade e autonomia pessoais.

Propriedade fruto do trabalho, conseguida, ganha pelo próprio! Falais da propriedade pequeno-burguesa, pequeno-camponesa, que precedeu a propriedade burguesa? Não precisamos de a abolir, o desenvolvimento da indústria aboliu-a e abole-a diariamente.

Ou falais da moderna propriedade privada burguesa?

Mas será que o trabalho assalariado, o trabalho do proletário, lhe cria propriedade? De modo nenhum. Cria o capital, a propriedade que explora o trabalho assalariado, que só pode multiplicar-se na condição de gerar novo trabalho assalariado para de novo o explorar. A propriedade, na sua figura hodierna, move-se na oposição de capital e trabalho assalariado. Consideremos ambos os lados desta oposição.

(...)

Horrorizais-vos por querermos suprimir a propriedade privada. Mas na vossa sociedade existente, a propriedade privada está suprimida para nove décimos dos seus membros; ela existe precisamente pelo fato de não existir para nove décimos. Censurais-nos, portanto, por querermos suprimir uma propriedade que pressupõe como condição necessária que a imensa maioria da sociedade não possua propriedade.”

Manifesto do Partido Comunista (Karl Marx e Friedrich Engels).

E mais uma vez os fatos confirmam os apontamentos de Marx e Engels. Estudos recentes da ONG britânica Oxfam e do banco suíço Credit Suisse Research revelam que os 1% mais ricos do planeta estão muito próximos de aquinhoar mais de 50% das riquezas do mundo.

Segundo os estudos, a desigualdade de renda tem crescido a passos largos e de forma alarmante. Em 2014, apenas 80 pessoas passaram a deter riqueza correspondente a de metade da população mundial, ou 3,5 bilhões de pessoas. Os dados mostram um aumento da desigualdade, já que em 2013 eram 85 bilionários e em 2009 eram 388.

No mesmo diapasão, a parcela de riqueza do seletíssimo grupo dos mais ricos do planeta está crescendo também. Se, em 2009, os 388 mais ricos detinham 44% das riquezas globais, hoje os 80 mais ricos detêm 48% e a expectativa é que, a partir de 2016, o acúmulo chegue a mais de 50%.

O grosso da riqueza mundial está nas mãos de 20% da população que detêm 94,5%. Dessa parcela, 87% está nas mãos dos 10% mais ricos. E, enquanto isso, no outro extremo da pirâmide, os outros 80% da população mundial compartilham apenas os 5,5% restantes. É esse o quadro catastrófico do capitalismo no século XXI.

Os dados ficam ainda mais chocantes quando nos debruçamos sobre os valores mensais de arrecadação equivalentes aos estratos sociais. Para pertencer aos 1% mais ricos é necessário receber ao mês US$ 798 mil (R$2,23 milhões); e cerca de US$77 mil (R$215,6 mil) para pertencer aos 10% mais ricos. Para pertencer aos 50% mais ricos, a pessoa precisa receber apenas US$ 3,65 mil, o que equivale a pouco mais de R$10.000,00. Digo apenas dez mil reais, pois é um valor normal para os salários de muitos funcionários públicos do país, por exemplo, e que, mesmo estando entre os 50% mais ricos, não vivem em situação luxuosa. Isso só demonstra, de um lado, o fosso gigantesco que separa os verdadeiros donos do planeta que são os bilionários mais ricos do mundo e o restante da população e, noutro giro, a situação de extrema pobreza da maioria esmagadora do povo que não recebe o mínimo para sobreviver.

Nesse diapasão, conforme as previsões da ONU para o ano de 2015, um sexto da população mundial (um bilhão de pessoas) vive em situação de extrema pobreza por receber menos de US$1,25 por dia (equivalente a R$105,00 por mês); outra parcela, de aproximadamente um bilhão e duzentos milhões de pessoas, vive em situação de pobreza moderada, recebendo entre U$1,25 e US$2,00 por dia (equivalente a R$168,00 mensal). Portanto, segundo os dados oficias, que pela generalidade e extenso campo de observação não podem abordar a fundo a real situação, cerca de 1/3 da humanidade vive em situação de pobreza. A maior parte dos pobres se encontra na África Subsaariana, Sul da Ásia e América Latina.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja