Dois Estados: o elixir da empulhação eterna sobre a questão palestina

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/148/16b.jpg
Criança palestina em trecho de Gaza destruído

Não se pode falar em esquerda, a autêntica esquerda, disputando hoje quaisquer farsas eleitorais levadas a cabo mundo capitalista afora, seja para a definição dos administradores dos países imperialistas, seja para a “escolha” dos gerentes dos Estados semifeudais e semicoloniais. Muito menos ainda quando o “sufrágil” é em Israel, onde as facções eleitoreiras representam as correntes mais ou menos sanguinárias do sionismo, mais ou menos afoitas para pôr em prática as políticas do genocídio prolongado na Palestina invadida, ainda que algumas delas, e justamente as que tentam se fantasiar de esquerda, lancem mão do discurso pacifista para tentar fazer fumaça à natureza fascista do Estado sionista.

Pois, no último dia 18 de março, o fascista Benjamin Netanyahu “venceu” as eleições antecipadas convocadas por ele próprio, conquistando um terceiro “mandato” consecutivo, um álibi institucional para intensificar as políticas de morte, perseguição e confinamento na Palestina, e contrariando as expectativas dos “analistas” e as pesquisas de intenções de voto, que apontavam, até a véspera do sufrágio, vitória da assim chamada “coalizão de centro-esquerda” União Sionista, cujo cabeça de chapa era o “trabalhista” Isaac Herzog, filho de um general do exército israelense e sobrinho de Abba Eban, ministro das Relações Exteriores à época da Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando as forças armadas sionistas lançaram uma grande ofensiva contra vários países árabes e Israel se tornou uma espécie de “superaliado” do USA.

Demagogicamente, o chefe de turno do imperialismo ianque, Obama, anunciou que Washington poderá rever esta “super-aliança”, ou seja, sua política de “blindagem” a Israel no cenário internacional diante da postura de Netanyahu de ser contra a criação de um Estado palestino. Demagogicamente porque a criação de um Estado palestino, ou melhor, a expectativa sempre alimentada pelo USA acerca da criação de um Estado palestino está para o genocídio na Palestina como as promessas de “liberdade” e “democracia” estão para as mortíferas invasões do imperialismo ianque do Iraque e do Afeganistão.

Vencida a eleição, Netanyahu recuou e voltou a abraçar publicamente a possibilidade de haver dois Estado na Palestina invadida no futuro, voltou a abraçar a pedra filosofal com que o Estado criminoso e ilegítimo de Israel e a “comunidade internacional” produzem o elixir da empulhação eterna no que tange à questão Palestina.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja