RJ: mortes e execuções sumárias no Alemão

Disparos de armas de grosso calibre foram os sons que ambientaram a noite de 1º de abril no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro, que, segundo as “autoridades”, foi “pacificado” pela Polícia Militar.

http://www.anovademocracia.com.br/148/12c.jpg
Crianças levaram cartazes criticando a violência policial no AlemãoFranscisco

Com o apoio de comunicadores locais do Coletivo Papo Reto, a equipe de AND foi ao local com a informação de que quatro pessoas teriam morrido no Complexo em um intervalo de três horas. Às 16h, um tiroteio na Rua 2, na localidade Alvorada, deixou dois mortos e uma jovem ferida. Segundo denúncias de moradores, PMs atiraram contra uma residência, ferindo mãe e filha. A adolescente Maynara Moura, de 16 anos, apesar de baleada, sobreviveu aos ferimentos. Já sua mãe, Elizabeth Moura, morreu a caminho do hospital. Os últimos momentos de vida de Elizabeth foram filmados por moradores.

Na mesma ocasião, o jovem Rodrigo Farinni, de 22 anos, foi baleado na cabeça por policiais quando saía de um beco. As imagens do corpo de Rodrigo revelam sinais de uma execução sumária: um tiro na parte de trás da cabeça à queima roupa.

http://www.anovademocracia.com.br/148/12d.jpg
PM reprime manifestação de moradores no dia 3 de abril

Horas depois, outros dois jovens teriam sido executados por PMs próximo ao Campo do Sargento, na Rua Canitar, coração do Complexo do Alemão. De acordo com moradores, depois de mortos, os jovens foram colocados no blindado da PM e retirados do local. A cena do crime ficou manchada pelo sangue dos jovens exterminados. Segundo lideranças da favela, à noite, muitos moradores deixavam o Complexo com malas e sem rumo se dizendo fartos da violência.

Eduardo de Jesus

http://www.anovademocracia.com.br/148/12a.jpg
Terezinha Maria de Jesus, mãe de Eduardo

No dia seguinte, 2 de abril, os agentes de repressão da PM protagonizaram novo banho de sangue. O caso que mais causou revolta foi o assassinato cruel de Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, na favela da Grota. A mãe do menino, Terezinha Maria de Jesus, disse à imprensa que estava sentada na sala assistindo TV quando presenciou a morte do filho. Estudante do CIEP Franscisco Mignone, o jovem estava sentado na escada que dá acesso à sua casa, quando, repentinamente, foi atingido por um tiro de fuzil no rosto. As imagens do garoto ensanguentado no chão circularam nas redes sociais provocando profunda indignação em diversos setores da sociedade.

Na tarde do dia 3, moradores do Alemão se manifestaram contra a rotina de terror imposta pela polícia. Por volta das 13h, a população começou um protesto espontâneo e, quando chegou à Estrada do Itararé, foi duramente reprimida por PMs com bombas de gás e tiros de bala de borracha. Várias pessoas ficaram feridas. No dia seguinte, 4 de abril, um novo protesto bloqueou a Itararé, dessa vez com o apoio de ativistas e organizações populares.

Fascismo escancarado

http://www.anovademocracia.com.br/148/12b.jpg
Elizabeth Moura

O caso obteve tanta repercussão que até mesmo o monopólio da imprensa (especialista em ocultar, distorcer e mentir sobre a violência policial nas favelas do Rio) teve de abordar o assunto sem criminalizar o menino assassinado e sua família. Porém, o show de horrores não parou por aí. Pouco tempo após a morte de Eduardo, Terezinha de Jesus declarou à imprensa que recebeu ameaças por parte da PM. Um policial teria dito para ela que “já que eu matei o filho, a gente também pode matar a mãe”. A denúncia foi publicada pelo portal ‘R7 Notícias’ em publicação de 3/4/2015.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Até o fechamento desta edição, um grande ato com o nome ‘Parem a guerra na periferia’ estava sendo convocado para ocorrer no dia 8 de abril no Largo do Machado, na Zona Sul da cidade. Os vídeos produzidos por AND sobre a repressão policial no Alemão podem ser vistos em nosso canal no You Tube: www.youtube.com/user/patrickgranja.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro