Jornada de Lutas dos Herdeiros da Terra de 1º de Maio

Este breve relato foi enviado à redação do AND pelos camponeses em luta pela posse das terras do latifúndio Araupel, no Oeste do Paraná.

http://www.anovademocracia.com.br/148/09a.jpg
Ocupação de pedágio pelos camponeses

Neste ano de 2015, o acampamento Herdeiros da Terra de 1º de Maio tirou como meta acabar com o latifúndio e começou com as terras griladas da empresa Araupel, no Oeste do Paraná, que vêm causando o deserto verde, aprofundando a desigualdade social da região e provocando o assassinato de camponeses em luta pela terra, impedindo que a terra cumpra a sua função social.

No dia 4 de março, os camponeses roçaram aproximadamente 50 alqueires de pinus (árvore plantada pela empresa para produzir celulose e o deserto verde) e  tomaram como meta a produção de alimentos na área roçada.

Já existe produção em algumas outras áreas ocupadas e os frutos dessa produção já podem ser consumidos pelos camponeses.

Nos meses de março e abril, o MST anunciou uma jornada nacional de lutas. Os camponeses do acampamento Herdeiros da Terra de 1º de Maio já deram início a jornada no dia 9 de março, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Proletária, ocupando o pedágio na cidade de Nova Laranjeira e deixando as cancelas abertas. Este foi um legítimo protesto do povo contra os caros pedágios, essas máquinas de fazer dinheiro para os governos e as empresas que os administram. O protesto foi saudado pelos motoristas.

Na tarde desse mesmo dia, os camponeses se dirigiram à cidade de Laranjeiras do Sul, onde ocuparam o prédio da Previdência Social contra os ataques dos pacotaços da gerência Dilma. Em seguida, em passeata, os camponeses percorreram o centro da cidade até o Núcleo Regional de Educação agitando a palavra de ordem “Por uma educação do campo e contra o fechamento das escolas do campo”.

Devido a falta de transporte, muitos trabalhadores que desejavam participar do protesto tiveram de ficar no acampamento. Outros improvisaram e foram até de caminhão para a manifestação.

http://www.anovademocracia.com.br/148/09b.jpg
"Fora Araupel grileira e assassina!"

No dia 10 de março, os camponeses protestaram em Quedas do Iguaçu, cidade vizinha do acampamento, onde se encontra a sede da fábrica da Araupel. Durante o trajeto, uma barreira policial, a mando do latifúndio, pretendia impedir a passagem dos camponeses retendo a manifestação durante cerca de duas horas. Policiais fortemente armados também faziam a segurança da empresa e, durante todo o dia, cercaram o protesto.

Já no dia 11 de março, foi realizado um ato em frente à sede do Incra, em Laranjeiras do Sul, exigindo que os acampamentos que estão há mais de 15 anos vivendo e produzindo nas terras griladas pela Araupel, famílias que independentemente de governos já dividiram as terras por conta própria, sejam reconhecidos. Os camponeses exigiram que suas situações sejam regularizadas e cobraram do Incra uma resposta definitiva sobre as terras griladas da Araupel. Uma comissão de camponeses decidiu acampar na sede do Incra para que suas reivindicações fossem recebidas e atendidas.

A juventude camponesa compareceu em peso à todas as mobilizações e protestos, colocando-se na linha de frente da agitação.

Os camponeses relataram que pretendem mobilizar muitos outros companheiros para a luta pelas terras da Araupel e pelo fim do latifúndio. Reafirmaram a sua decisão de varrer o deserto verde da Araupel e produzir mais, acabar com a dominação do latifúndio e distribuir terras para quem nela vive e trabalha.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro