Notas internacionais

A- A A+
Pin It

USA: Baltimore em chamas!

Rafael Gomes Penelas

No fechamento desta edição de AND, recebemos informações das combativas rebeliões populares que incendiaram a cidade de Baltimore, no estado de Maryland, no USA.

O motivo da indignação foi a morte de Freddie Gray, 25 anos, vítima de lesão medular nas dependências de uma prisão em 19/4. O assassinato covarde de mais um jovem negro desencadeou uma onda de protestos que terminaram em violentos confrontos com a polícia, viaturas incendiadas etc. Em 26 de abril, a repressão prendeu 34 pessoas que participavam de protestos, sendo que 12 já haviam sido presas um dia antes, 25/4.

No dia 24, a polícia admitiu que “errou” no procedimento de detenção de Freddie, que, num vídeo, aparece sendo colocado na viatura gritando de dor. Na ocasião, a coluna do rapaz ficou gravemente ferida. A repressão ainda admitiu que, dentro da viatura, o cinto de segurança não estava afivelado, o que, provavelmente, teria provocado o ferimento que o afetou mortalmente.

Estas ondas de protestos não são novidades no USA que, em agosto de 2014 (e meses seguintes), foi palco de renhidos confrontos da juventude negra contra a polícia racista após o assassinato do adolescente Michael Brown na cidade de Ferguson, estado do Missouri. As organizações de defesa dos direitos do povo apontam que estas abordagens e as ações policiais fazem parte das políticas de repressão do Estado ianque contra a juventude e as populações das periferias dos grandes centros urbanos do USA.

No dia do enterro do rapaz, 27/4, ocorreram novos protestos. Na próxima edição de AND traremos mais informações.


Europa: perseguição e prisões de ativistas turcos

Informações de dazibaorojo08.blogspot.com
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No dia 15/4, forças especiais da polícia alemã atacaram, simultaneamente, ativistas da Associação dos Trabalhadores Turcos na Europa (ATIK) em Nuremberg, na Alemanha, e também na Suíça. A operação foi realizada pelas forças especiais que, subitamente, arrombaram as portas das casas dos ativistas.

Uma declaração emitida pelo departamento jurídico da ATIK denuncia que a operação foi ordenada pelo Ministério Público em Karlsruhe. A informação mais recente é que a maioria do Conselho Geral da ATIK foi presa arbitrariamente com base em acusações infundadas.

O Conselho Geral da ATIK, as organizações Nova Mulher e Juventude Nova Democracia, ativistas e representantes da ATIK declararam que não se intimidarão ou se calarão diante dessa tentativa de criminalização.

“Essas prisões foram ordenadas pelos imperialistas europeus e do Estado turco. A ATIK não vai parar sua luta democrático-   revolucionária” — afirmaram os ativistas em manifesto de denúncia.

Até o fechamento dessa edição do AND, os ativistas permaneciam arbitrariamente encarcerados.


Liberdade para os presos políticos Mapuche

Informações do periódico El Pueblo, Chile

A repressão contra o povo Mapuche tem se intensificado da forma mais brutal. O periódico El Pueblo, órgão da imprensa popular e democrática do Chile, divulgou, no último mês, uma série de denúncias das perseguições do velho Estado contra suas comunidades, a situação dos presos políticos Mapuche, que estão em greve de fome desde o dia 23 de março na Penitenciária de Angol, e a luta desse bravo povo contra o roubo de suas terras ancestrais.

No dia 6 de abril de 2015, o Lof* Rankilko, da zona de Bajo Malleco, iniciou uma mobilização contra a construção de casas em terras historicamente usurpadas por grandes burgueses e latifundiários. Esses roubos das terras se deram de várias formas, principalmente através de empresas florestais.

Rapidamente, as forças armadas do velho Estado burguês e  latifundiário foram mobilizadas reprimindo brutalmente os manifestantes com disparos, bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral. Nessa ocasião, o werkén (considerado uma autoridade pelo povo Mapuche) do Lof, Rodrigo Curipán Levipán e Guido Barras Nahuel foram presos. Esses lutadores foram libertados depois de serem mantidos reféns durante várias horas sem que seu paradeiro fosse revelado pelas forças de repressão.

Em resposta a essas medidas antipovo do velho Estado chileno, a comunidade de Rankilko fez um chamamento para uma grande mobilização e protesto que ocorreu no dia 10 de abril, reafirmando sua decisão de continuar firme na luta pela terra. O Comitê de Defesa da Luta do Povo Mapuche repercutiu esse chamamento, convocando os democratas chilenos a se solidarizarem com a luta dos Mapuche levantando as consignas: “Contra a militarização da zona Mapuche! Liberdade para todos os presos políticos Mapuche! Recuperar com luta as terras do povo Mapuche!”.

*Designação dada pelo povo Mapuche às comunidades em que vivem grupos de famílias que se consideram mutuamente aparentadas ou ligadas por um ancestral comum.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja