Grécia: “esquerda radical” barganha com imperialismo russo

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


Na Grécia, o gerenciamento do incensado Syriza, sigla dita de “extrema-esquerda”, segue se esmerando em cumprir o seu papel de alternativa dos monopólios para mitigar a “crise da dívida” e restaurar a “normalidade” do capitalismo no país, que é a de uma nação subalterna, subjugada e sugada até a raiz pela Europa do capital monopolista, via União Europeia, moeda única e outros instrumentos de dominação dos elos mais fortes sobre os elos mais fracos da zona do euro.

Perpetuam-se as privatizações, pagamentos ao Fundo Monetário Internacional e diversas outras medidas tomadas pelo Syriza para que a Grécia siga atendendo as requisições da famigerada Troika, a tríade interventora formada por Comissão Europeia, Banco Central Europeu e, sempre ele, o FMI. Medidas estas que há alguns meses, quando ainda eram “oposição”, Tsipras, Varoufakis e sua trupe classificariam de antipovo, vociferando contra a “austeridade”, mas que agora são apresentadas como reformas para “melhorar o ambiente de negócios”.

No fim de março, por exemplo, o monopólio internacional da imprensa fez saber que o gerenciamento Tsipras avisara a “credores” que espera obter 500 milhões de euros com a privatização do porto do Pireu, em Atenas — privatização que havia sido suspensa pelo próprio Syriza há dois meses —, deitando por terra mais uma patranha propagada pela legenda que ascendeu ao gerenciamento do Estado grego, a de que os recursos angariados com as privatizações passariam a abastecer um tal “fundo de riqueza soberano” destinado a financiar políticas sociais.

Além disso, o “primeiro-ministro” Tsipras foi a Moscou no dia 8 de abril (um dia antes do vencimento de mais um prazo para pagamento pela Grécia de mais uma parcela de encargos da dívida grega com o FMI) para, em suas próprias palavras, “usar os ativos geopolíticos” e “diversificar a política externa” (leia-se: flertar com o imperialismo russo visando se cacifar para sentar-se à mesa mais forte com a Alemanha), ao convidar Putin para participar das privatizações gregas que estão por vir, e um dos interesses russos está justamente na infraestrutura portuária grega que o gerenciamento Tsipras vai colocar a saldo.

Enquanto isso, as jornadas de protestos seguem se intensificando na Grécia. Ao passo que o gerenciamento do Syriza cada vez mais se assemelha aos seus antecessores, títeres mais escancarados da Europa do capital monopolista, mais as ruas vão se enchendo de multidões rebeladas em justas escaramuças contra as forças de repressão.

São protestos como o que aconteceu na véspera da visita de Tsipras a Moscou, no dia 7 de abril, quando a juventude combatente saiu às ruas da capital Atenas para exigir a libertação de vários companheiros de luta que estão encarcerados em prisões de segurança máxima — verdadeiros presos políticos da “esquerda radical”.

E, por ironia, veio justamente da Alemanha um estudo publicado no início de abril mostrando as profundas consequências na Grécia de anos e mais anos de amém ao FMI e à Angela Merkel, como tem sido os poucos meses de Syriza, ainda que sob o disfarce da “esquerda radical” e sob a distração da cobrança inócua dirigida a Berlim de 278 bilhões de euros por causa da ocupação nazista.

O estudo alemão levado a cabo pela Fundação Hans Böckler, instituição ligada à confederação sindical alemã DGB, mostrou que os salários na Grécia ficaram 23% menores entre os anos de 2008 e 2012 (25% entre os funcionários públicos), sendo que a renda média das famílias mais pobres da Grécia caiu nada menos do que 86% neste intervalo de quatro anos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro