Palestina: o caminho incontornável da resistência

Um relatório da ONU divulgado no fim de março mostrou que 2014 foi o ano mais sangrento do genocídio na Palestina desde 1967, ano da Guerra dos Seis Dias. O número de “civis” palestinos assassinados por Israel no ano passado passou da marca dos 1.500 mortos. Trata-se, porém, de um número balizado por premissas capciosas.

Este recorde de mortes de “civis” palestinos na conta do fascismo-sionismo foi conquistado, diriam os cabeças do genocídio na Palestina invadida, graças à “Operação Limite Protetor”, a mais sangrenta invasão sionista da Faixa de Gaza em uma década, que deixou na verdade pelo menos 2.205 palestinos mortos (número oficial), “civis” ou militantes da justa luta armada contra Israel genocida. Além disso, a “Operação Limite Protetor” provocou o maior deslocamento de pessoas na faixa de Gaza desde 1948, por causa da destruição de 113,5 mil residências pelas bombas de Israel.

Justamente no momento em que surge esta informação (na verdade, no mesmo dia, 26 de março), a organização Anistia Internacional passa um belo atestado de ser parte integrante do conjunto de atores e engendros (como a própria ONU) que permitem a perpetuação ano após ano deste genocídio na Palestina invadida, ao reforçar o mito do “conflito israelo-palestino”, acusando “grupos armados palestinos” de cometerem “crime de guerra” justamente durante aquela última grande operação de extermínio e destruição de Israel na Faixa de Gaza.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin