Mediterrâneo: naufrágios na conta da ‘geopolítica’

http://www.anovademocracia.com.br/149/17.jpg
Sobreviventes do trágico naufrágio de 21 de abril

A dramática rotina das mortes por afogamento de migrantes da África e do Oriente Médio no mar Mediterrâneo teve, no último dia 19 de abril, o seu mais dramático episódio, pela quantidade dos mortos de uma só vez, quando um barco repleto de cidadãos da  Eritréia, Somália, Síria e outras nações castigadas pela miséria e pela guerra — filhas legítimas desta velha senhora chamada “geopolítica”, a política das potências capitalistas — virou no meio do mar e nada menos que 800 pessoas em fuga desesperada da falta de tudo e de banhos de sangue perderam a vida tentando entrar na Europa.

O que se sabe sobre o naufrágio multifatal de 19 de abril é o retrato, a síntese, da estupidez e da incivilidade de tudo o que o cerca, e de tudo o que cerca as dezenas de milhares de mortes registradas nos últimos anos em circunstâncias quase que idênticas. O barco, que partiu do litoral da Líbia e ao meio da viagem clandestina viu-se à deriva, naufragou depois que as centenas de passageiros em pânico penderam todos para um dos lados da embarcação ao avistarem um cargueiro português que se aproximava para tentar um resgate.

Até meados de abril o número de mortos na tentativa de cruzar o Mediterrâneo para entrar na Europa em 2015 já havia ultrapassado a marca dos 1.700 pessoas. Em todo o ano de 2014 foram contabilizados 3,4 mil migrantes mortos afogados naquelas águas. Hoje, uma em cada 18 pessoas que tenta fazer a travessia termina a viagem morta. A própria ONU agora estima que até o fim deste ano 30 mil pessoas podem morrer tentando vencer esta fronteira-mar transformada em um imenso e plácido cemitério de “ilegais” pelas políticas de imigração delineadas e implementadas pela Europa do capital monopolista.

Esta Europa delegou este trabalho mais sujo ao mar e aos “traficantes de pessoas” que tanto diz querer combater, conforme manda o protocolo da Europa mitológica, aquela que segundo a crônica da mais cínica demagogia os maiores assassinos e saqueadores aparecem como grandes “presidentes” e “primeiros-ministros” defensores da vida, das liberdades dos povos e da soberania das nações.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin