Professores em greve espancados em Goiânia

Fotos enviadas por Flávio Alves
http://www.anovademocracia.com.br/149/11a.jpg
Os professores exigem dos órgãos municipais que suas reivindicações sejam atendidas

Na manhã do dia 9 de abril, os servidores da educação municipal de Goiânia, seguindo o exemplo de vários outros educadores que estão em luta por todo o Brasil, deliberaram entrar em greve geral por tempo indeterminado.

A luta dessa vez não é por aumento de salários, o que não deixaria de ser uma pauta digna, mas sim contra o corte de direitos conquistados com muita luta por estes trabalhadores. Ou seja, contra a redução salarial e outros benefícios. Essas medidas estão afetando não apenas esta categoria, mas sim todos os servidores do município.

Após determinarem a greve, os trabalhadores promoveram ações para pressionar a prefeitura a abrir negociações de modo a cumprir com acordos feitos em greves passadas, já que as promessas feitas pelo prefeito não estão sendo cumpridas. As pautas de negociação são o pagamento retroativo da data-base dos servidores administrativos, o pagamento da gratificação de 30% para as auxiliares educativas, transposição para o plano de carreira do magistério e o pagamento do retroativo de 2014 do piso dos professores. Além da retirada de reforma administrativa do projeto que corta direitos dos trabalhadores. Ou seja, a luta maior é contra cortes de direitos trabalhistas já conquistados e contra o sucateamento que vem sendo promovido na rede municipal de ensino.

No dia 16 de abril, os servidores em greve realizaram um panelaço no Paço Municipal. Neste ato realizaram uma ocupação histórica, tomando a sala de reuniões do prefeito, local onde ele deveria receber os educadores e cumprir com os acordos firmados por ele próprio.

http://www.anovademocracia.com.br/149/11B.jpg
Educadora ferida de forma covarde pela Guarda Municipal

Já na assembléia do dia 24 de abril, os servidores decidiram manter a greve por tempo indeterminado e tomaram como ação imediata percorrer os corredores do Paço Municipal, demonstrando a indignação com a falta de ação do prefeito. A prefeitura, que se recusa a atender as pautas reivindicativas da greve, mostrou que o único diálogo que entende é o do fascismo, a da repressão mais brutal. Ao perceber a tentativa dos educadores de adentrar nos corredores do Paço, a Guarda Civil Metropolitana montou um cordão de isolamento e, bastou os servidores se aproximarem, atacou com spray de pimenta, socos e cassetetes. Dois professores foram atingidos com várias pauladas na cabeça, tiveram cortes profundos e foram levados para o hospital, onde levaram vários pontos cirúrgicos. 

Esta repressão covarde tomou logo uma forte repercussão, despertando a indignação da categoria em greve e também das populações de Goiânia e de todo país, que acompanharam as fotos, vídeos e relatos de mais um ato covarde que é só o que este velho Estado tem a oferecer a quem busca uma educação digna para o nosso país.

A categoria não está sozinha, os trabalhadores da saúde também entraram em greve contra os cortes de direitos que a prefeitura vem implementando contra todos os servidores do município, inclusive contra os guardas que espancaram os servidores da educação e também já haviam reprimido um dia antes os servidores da saúde.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro