Subdesenvolvido

A- A A+
Pin It
O Brasil é uma terra de amores
Alcatifada de flores
Onde a brisa fala amores
Em lindas tardes de abril
Correi pras bandas do sul
Debaixo de um céu de anil
E botareis um gigante deitado
Santa Cruz hoje o Brasil

Mas um dia o gigante despertou
Aquele gigantão verde e amarelão
O Hulk deixou de ser gigante adormecido
E nem um anão se levantou.
Era um país subdesenvolvido… mas alegre…

E como se trata de um pouquinho de história do Brasil,
Aqui nos vai um fadinho:
Nem passado o período colonial
O país se transformou num bom quintal
E pois dadas as contas a Portugal,
Instaurou-se um latifúndio nacional
Subdesenvolvido…

Aí entra um marcial:
Que povo, bravo povo brasileiro,
Que em perigos e guerras se esforçava,
Mas que prometia a força humana,
Plantou couve e colheu banana.
Bravo esforço do povo brasileiro
Que importou capital do estrangeiro
Subdesenvolvido…

As nações do mundo para cá mandaram
Os seus capitais
E desinteressados
É que as nações, coitadas, queriam ajudar, né?
E aquela ilha velha ajudou também
País de pouca terra
Solos três vinténs,
Um grande bem, um Big Ben
Nos deu luz, tirou o ouro
Nos deu trem, mas levou o nosso tesouro
Subdesenvolvido

Houve um tempo em que se acabaram os tempos duros e sofridos
Porque um dia aqui chegaram os capitais dos Estados Unidos
País amigo, desenvolvido, país amigo, mais rico do que o subdesenvolvido
País amigo…
E o nosso amigo americano
Nos deu dinheiro e nós plantamos
Numa terra em que plantando tudo dá
Mas eles resolveram que a gente ia plantar
Nada mais que café

Aí tem aquela brincadeira de criança que dizia assim:
Bento que bento é o frade
Da boca do fogo tirai um bolo
Fareis tudo o que seu mestre mandar?
Faremos todos…

E começaram a nos vender e a nos comprar
Comprar borracha, vender pneu
Comprar minério, vender navio
Comprar nossa vela e vender pavio
Só mandaram o que sobrou de lá
Matéria trástica, entusiástica,
Que coisa elástica
Que coisa drástica,
Rock, balada, filme de mocinho,
Ar refrigerado e chiclete de bola
E Coca-cola
Subdesenvolvido…

É que o povo brasileiro tem personalidade
Não se impressiona com facilidade
Embora o povo brasileiro pense como desenvolvido
Como eu, que penso como desenvolvido
Aquele pedacinho que eu canto: e Coca-cola,
É a última vez que eu canto isso
Se a Coca-cola não vier aqui para conversar sobre merchandising
A próxima vez que eu cantar essa canção já vai ser com outro refrigerante

O povo brasileiro também dança como desenvolvido, não dança?
Só dança. É só entrar numa discoteca.
Ta cheio de desenvolvido se mexendo lá dentro, igualzinho
E também canta como desenvolvido, não canta?
Ieieieieiuouououou…
Ieie, meu boi, ieie, roçado bom..
O melhor do meu sertão, oh, yeah,
O meu boi
Subdesenvolvido…

Tem personalidade, não se impressiona com facilidade,
Embora pense, dance, e até cante como desenvolvido,
O povo brasileiro não come como desenvolvido,
Não bebe como desenvolvido,
Vive menos, sofre mais, isso é muito importante
Muito mais do que importante,
Pois difere os brasileiros dos demais
Pela personalidade… sem igual
Porém, subdesenvolvida…
Essa é que é a vida nacional.

 

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja