E nada muda

A- A A+
Brasília – Os acontecimentos na Bolívia resultando na queda do presidente Sánchez de Lozada, deixam bem claro o papel dos EUA. Eles tomam todos os bens e massacram as populações dos países que se atrevem a resistir. Aliás, é bom que se tome conhecimento, Lozada se encontra em solo norte-americano, desfrutando de régia aposentadoria. 

Os bolivianos não têm mais nada de seu. Até a Petrobrás de lá foi entregue a grupos estrangeiros, na chamada globalização. Foi doada no primeiro mandato de Lozada (1993-97). O mesmo comportamento do presidente brasileiro FHC (1995-2003), quando entregou a Companhia Vale do Rio Doce, o Sistema Telebrás, as distribuidoras de energia e outras estatais, desnacionalizando a economia brasileira em cerca de 78%.

Cardoso chamava os aposentados de “vagabundos”, mas vivia de espinha curva para a Inglaterra e os EUA. Foi julgado simbolicamente pelo Tribunal Internacional dos Crimes do Latifúndio, em Belém (PA), nos dias 29 e 30 de novembro, responsabilizado pela omissão nos assassinatos e tentativas de homicídio ocorridas no campo. Deveria ser julgado pela nossa miséria, e entre outras coisas, por ter entregado quase todo o patrimônio nacional.

Na Bolívia, os EUA coordenaram todo o sistema de repressão. Nos dias de tumulto, aviões norte-americanos chegaram à capital, La Paz, carregados com moderno armamento antimotim para conter o povo vítima da miséria gerada na doação de suas riquezas. E aí está uma das principais razões da campanha pelo desarmamento que ora se faz no Brasil.

As “autoridades” sabem que bandidos e marginais não compram armas em lojas credenciadas. Mas têm consciência, também, de que mais cedo ou mais tarde irá acontecer uma grande revolta no nosso país, como na Bolívia, contra o roubo e crimes de lesa-pátria que diariamente se efetua nos altos escalões administrativos. Daí, a manipulação dos movimentos, essa ansiedade em ver toda a população sem nenhuma arma.

Pois quando começar tal revolta nacional, contra a ladroeira, ficará mais fácil para os EUA coordenarem a tentativa de massacrar o nosso povo, trazendo bombas de gás, granadas, equipamento antimotim e tudo o que for necessário para combater a população indefesa.

O império norte-americano já não engana a mais ninguém. Encontra-se dentro de um processo de brutal deterioração. Mas ainda irá fazer muito mal antes de sucumbir à ambição desvairada. O atual presidente, George Bush, é prova insofismável da decadência ianque. Iletrado, ex alcoolomaníaco (certa vez, foi preso e algemado por dirigir embriagado), possui como único argumento a força das armas.

Para manter o consumo alucinado dos compatriotas, não resta a Bush outra saída que não seja a de extorquir com manobras contábeis, colocando o FMI no governo de todas as nações que possuem reservas. Hoje, o “ato democrático” cessa a partir do instante em que se “elege” o presidente. Como aconteceu com Luiz Inácio da Silva, que continua a doar nossos bens, alimentando Tio Sam à custa das nossas necessidades.

Como afirmou o escritor português José Saramago: “Os presidentes dos países ditos de terceiro mundo são apenas comissários de uma globalização que só beneficia às nações lideradas pelos EUA.”

As “elites” detestam o povo, se submetem a todas as imposições, em troca de títulos e migalhas. FHC possui caixas e mais caixas de medalhas, comendas e diplomas que alimentam sua vaidade. Trocou espelhinhos e miçangas pelos nossos recursos. Enquanto isso, a população vegeta sem perspectiva de futuro. E Lula embarcou na mesma canoa.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja