Opiniões - 15

Acreditem!

Pela primeira vez li um jornal da primeira a última letra.

Estou fascinado com o jornal e apavorado com o país que as elites criaram. Gostaria de saber como fazer para segurar o Frankstein que vem por aí. Faço o possível para divulgar o jornal, mas ainda tenho alguma dificuldade de encontrá-lo. Se possível, envie-me as condições de assinatura anual.

Um abraço a todos e muito obrigado por permitir que possamos penetrar na alma da nação!

Zenon P. Lima
por e-mail


Busca pela verdade

Sempre que posso, entro neste site e mais uma vez fico com aquele nó tremendo na garganta ao concluir, pela milionésima vez, que os brasileiros não têm (por influência do imperialismo, logicamente) o mínimo de consciência do poder que o trabalhador tem nas mãos para lutar por um país melhor. Não é uma utopia como muitos acham. Está tudo tão claro, tão provado, e mesmo assim as pessoas preferem continuar levando suas "vidinhas", esperando o "reino dos céus". Enquanto isso, políticos, líderes religiosos (a igreja católica e esses charlatões de igrejas evangélicas que me causam mais repulsa), e outros proliferadores de ideologias absurdas, manipuladores de consciência, continuam aí, fazendo o que bem querem, enquanto a miséria vem atingindo níveis insuportáveis e o planeta vem a cada dia, sendo degradado, todo este paraíso sendo destruído...

O texto sobre a xenofobia americana e os meios de manipulação da classe explorada me chamou atenção, pois em meu local de trabalho tenho dificuldades de relacionamento, pois sou visto como uma pessoa pessimista, amarga e outras coisas mais. Como explicar para essas pessoas, como tentar abrir suas mentes de cavalos de viseira , sem ofender as crenças e convicções alheias, como estimular estas pessoas a deixarem suas zonas de conforto e partirem para uma maior consciência política.

Obrigado por aguentarem o meu desabafo e me ajudem a não desanimar dessa jornada de luta por um mundo mais justo.

Obrigado.

Michel Rodrigo Soares
por e-mail

"Bem aventurados os humildes, pois deles é o reino dos céus"
– porém, até lá os fortes vão levando a vida com bastante conforto.


Água – bem essencial do ser humano

Senhores editores,

Tenho em mãos o número 12 desse vibrante jornal, enviado pelo jornalista Montezuma Cruz, de Brasília. No ano passado, quando ainda me encontrava em Rondônia, recebi outro exemplar, o número 1, se não me engano.

Estudioso dos problemas agrários, li com grande interesse as matérias ali publicadas. Lavrador, filho, neto e bisneto de lavradores. Alimentei desde criança este sonho: ter um pedacinho de terra e gozar do privilégio de almoçar e jantar todos os dias. Não realizei esses sonhos e nem os outros que surgiram depois. Terrível constatação: tanta terra sem gente... e tanta gente sem terra, num país com tanta fartura de terra!

Baseado no número anterior, fiz um resumo da situação e utilização das terras no país, do número 12 extraí uma bela página sobre a água, que estou distribuindo aqui em forma de panfleto. Buritis fica no vale do Urucuia, no Noroeste de Minas Gerais – uma região devastada e a caminho da desertificação. Há aqui uma enorme escassez de água, principalmente nos períodos prolongados de estiagem. E o mais grave: o rio Urucuia, que banha a região, está sendo implacavelmente destruído. O Urucuia vai no sentido de se transformar num outro Jequitinhonha, diante de uma população acomodada e bestificada.

Um grande abraço a todos, com votos de vida longa e sucesso para A Nova Democracia.

Geraldo Gonçalves
Buritis-MG


Emoção de viver e recordar

Prezado editor

Encontrei num site de busca, por um acaso, uma matéria sobre o craque de futebol Afonsinho, resolvi interromper a minha pesquisa para ler a reportagem. Fiquei emocionada, muito emocionada mesmo.

A matéria está belíssima. A história de Almir (a quem conheci muito bem) me fez pensar, mais uma vez, que a vida vale a pena, sempre!

Me lembro do trabalho de Afonsinho na assistência aos moradores do Lar Abrigado e me surpreendia com sua tolerância e humildade diante do sofrimento, justamente o que muito psiquiatra deveria aprender.

Competente, não perdia a forma lúdica de trabalhar, acompanhava os passos da reforma psiquiátrica, ampliando a clínica através dos exercícios com os pacientes, levando-os para jogar fora dos muros hospitalares, como as areias do Leme, ou o campo do Polytheama. Ee assim ia ampliando a visão de mundo devolvendo a paixão pela vida a quem perdeu parte da existência nos pavilhões psiquiátricos.

Obrigada pela bela matéria. Obrigado, Afonsinho, por ter me dado a oportunidade de recordar o tempo em que trabalhamos juntos.

Gina Ferreira
Ex-Coordenadora do Lar Abrigado do Instituto P. Pinel (1997-2000)


Democracia?

Não é pelo fato de haver o ritual das eleições que é democracia, mas sim num governo em que o povo tenha o controle sobre os poderes que o apresentam, e não o contrário como ocorre.

Na verdade, tal forma de governo é também ditadura, e no país em que o povo não tenha controle sob o Estado, democracia ainda é um ideal a ser alcançado.

Essa pseudodemocracia não é um regime de homens livres, mas de escravidão, pois condena no país a maioria da população a escravidão econômica, com suas consequências piores que as guerras.

Um sistema de governo por se auto-rotular de democrático não deve ter o direito de pôr em caos o país e arruinar o povo.

Leonardo José Baudino
Recife-PE

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin