Fim dos ataques à ATIK! Libertação imediata dos presos!

A- A A+

Confederação de Trabalhadores Turcos na Europa - Atik
Texto traduzido e adaptado pela redação do AND

http://www.anovademocracia.com.br/150/18.jpg
Manifestação em Stuttgart, Alemanha

No dia 15 de abril, a polícia alemã prendeu sete membros da Atik em um ataque violento executado simultaneamente em várias casas. Esta operação não se restringiu apenas à Alemanha, mas foi realizada também na Suíça, onde uma pessoa foi presa; na França, onde outra pessoa foi presa e na Grécia, onde três foram presos, num total de 12 pessoas detidas. Esta operação foi executada violando as leis europeias e internacionais.

Tal operação e as prisões foram baseadas, pelo Ministério da Justiça da Alemanha, na chamada lei “antiterror” 129a e 129b. Esta é aquela lei promulgada sob o pretexto do ataque às “torres gêmeas” em 2001, no EUA, direta ou indiretamente organizado, e que está sendo imposta à Europa e a outros países do mundo. Mas, esta é uma lei de terror de Estado, que visa intimidar, reprimir e atacar a classe operária, trabalhadores e oposição social nacional e internacional.

A ATIK/Confederação dos Trabalhadores Turcos na Europa, não é nem uma nova organização, nem uma organização de frente. É uma organização de trabalhadores migrantes que saíram de seu país, a Turquia, após a grande migração inicial de trabalhadores para a Alemanha. Sua organização remonta a meados dos anos 70; quase meio século atrás. Durante anos continuou lutando firmemente sob o nome de ATIF, em conjunto com outras organizações de trabalhadores na Europa. Em 1986, tornou-se uma confederação com o nome de ATIK. É uma organização democrática de massas, que engloba os refugiados políticos que fugiram da junta militar fascista na Turquia, sendo o seu núcleo principal composto por trabalhadores. A ATIK, ao tornar-se uma confederação,transformou-se em uma organização juridicamente legal, democrática, independente, que há mais de um quarto de século luta em  defesa dos direitos e das liberdades democráticas. É uma organização na qual suas federações trabalham dentro dos quadros legais dos países onde estão.

 A ATIK é uma organização anti-imperialista, antifascista, antimilitarista, democrática, que luta pela liberdade dos trabalhadores migrantes e trabalhadores de várias nacionalidades na Turquia; é uma organização que tem apoiado a luta pelos direitos e liberdades democráticas da classe operária e trabalhadores dos países e com esta luta tem tomado ações conjuntas;

ATIK é uma organização que tem resistido e apoiado a luta da juventude na Turquia, e da juventude local, na luta por seus direitos acadêmicos e liberdades democráticas. É uma organização que tem encorajado a juventude a lutar contra hábitos como o abuso de drogas e contra a degeneração da juventude; é uma organização que assume uma postura e luta contra todas as formas de desigualdade de direitos, contra a repressão a violência e injustiças;

ATIK é uma organização que expressa a sua reação política, prática e democrática, como condição prévia da sua existência, contra todas as formas de racismo sharia das organizações fascistas;

ATIK é uma organização que luta contra todas as formas de discriminação e xenofobia, todas as formas de nacionalismo, racismo, chauvinismo e as ideologias nazista e neonazista, nas quais estas estão baseadas;

A ATIK, sendo contra as ditaduras fascistas reacionárias do Oriente Médio, também foi contra outras organizações fascistas reacionárias. Se opôs fortemente ao massacre cometido por EI em Rojava e seu ataque sobre Kobane e o povo curdo e outras nações minoritárias. Para apoiar a libertação de Rojava e Kobane com apoio moral e material dentro dos limites das suas possibilidades, continuou a se posicionar a favor deles;

ATIK é uma organização que condenou os massacres contra a nação curda que, apesar destes massacres, tem sido capaz de manter a sua existência nacional; condenou ainda os Estados otomano e turco pelo genocídio armênio, o massacre sobre os gregos turcos e a expulsão dos que ficaram para trás;

ATIK, que sempre defendeu o direito à autodeterminação das nações em todas as condições, tem defendido os direitos e liberdades das nações ocupadas, tem defendido os direitos das nações e das minorias no âmbito da repressão nacional e tem apoiado os movimentos que lutam por esses direitos. Portanto, tem defendido incondicionalmente o direito à autodeterminação do povo curdo na Turquia, e se opõe contra a repressão e restrição de direitos nacionais e das minorias;

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja