Para onde vão os migrantes ‘resgatados’ no Mediterrâneo

A- A A+
http://www.anovademocracia.com.br/150/17a.jpg
Guarda costeira italiana aborda migrantes em barco inflável

No fim de semana dos dias 2 e 3 de maio, as “autoridades” marítimas de países europeus interceptaram nas águas do mar Mediterrâneo embarcações que transportavam ao todo quase seis mil pessoas que tentavam emigrar da África para a Europa navegando sobre os corpos de milhares de irmãos que acabaram encontrando naquelas águas-fronteira sua sepultura; pessoas empurradas à fuga desesperada da miséria e da guerra por mais de um século de partilha da África pelas potências europeias, e empurradas às agruras, riscos e loucuras da clandestinidade pelas políticas migratórias cada vez mais racistas do moribundo capitalismo europeu.

Naquele fim de semana, dez imigrantes foram achados mortos e uma criança nasceu durante a travessia em uma das embarcações.

A maioria daqueles 5.800 migrantes foi encaminhada para aguardar a deportação em um dos 13 centros de detenção de imigrantes que existem na Itália, ou “centros de triagem e acomodação”, como as “autoridades” italianas preferem dizer, em um dos muitos eufemismos que as “autoridades” europeias em geral criam para fazer fumaça às suas políticas migratórias de cunho racista, xenófobo, que deliberadamente passam ao largo das questões históricas, ou melhor, dos crimes historicamente cometidos pela Europa contra a África. Crimes estes que estão no cerne da atual “crise migratória”; um dos muitos eufemismos criados pela Europa do capital monopolista para “gerenciar” esta crise tentando não manchar as mãos.

http://www.anovademocracia.com.br/150/17b.jpg
Ilha de Lanpeduza,Itália: família atravessa cerca de centro de migrantes

Os centros de detenção de imigrantes, oficalmente denominados Centros de Internação de Estrangeiros (CIEs), são verdadeiros depósitos de africanos, em sua maioria, confinados em regime de privação de liberdade sob a pecha coletiva de “ilegais”, ainda que migração não seja crime e não obstante a previsão da lei europeia de que os CIEs obrigatoriamente devem ter “caráter não penitenciário”. Mas a prática dos CIEs vai além da prisão ilegal de imigrantes: a superlotação, a insalubridade e os maus-tratos estão ali todos os dias, o dia todo, para lembrar aos “acolhidos” a, digamos, imprudência da tentativa de ingresso clandestino na Europa.

Eventualmente uma denúncia mais contundente e midiática sobre o que de fato acontece nos CIEs resulta em processos não menos incensados, como se os “abusos” levados a tribunal fossem exceções que confirmassem ser o respeito aos direitos e à dignidade dos imigrantes a regra que rege o funcionamento desses centros, como agora mesmo acontece o julgamento de cinco policiais espanhóis acusados de estuprar mulheres africanas “acolhidas” em um centro de detenção espanhol já desativado que funcionava sugestivamente em um antigo quartel militar.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja