Povos do Alasca e Havaí exigem independência do USA

http://www.anovademocracia.com.br/151/17.jpg
Havaianos protestam contra ocupação ianque

Ativistas de povos nativos havaianos e alasquenses enviaram documento à ONU no início de maio, denunciando que a anexação dos dois territórios pelo USA (nos anos  1800, com confirmação em 1959) foi fraudulenta.

Comunicaram também que estão cobrando dos ianques tanto a correção do erro quanto a independência. Medida que já foi efetivada por eles, numa petição a Washington.

Imagina-se que os indígenas estão apenas cumprindo formalidades, pois supostamente sabem que a luta das massas pobres e exploradas por seus direitos envolve muito mais que a remessa de papéis aos donos do poder.

No comunicado às Nações Unidas, entidade que tem sido fiel servidora dos países imperialistas, os indígenas informaram que “em 1959 (o Havaí e o Alasca) foram absorvidos pelos EUA por meio de fraude e violação deliberada dos princípios da ONU e do processo de livre determinação” publicou o Diário Liberdade (DL), da Galícia, em seu sítio na internet no dia 19 de maio passado.

Para a agência noticiosa Sputnik denunciou Ronald Barnes, do Alasca: “Os EUA tomaram nossa terra, extraem enormes quantidades de recursos naturais, prejudicando o meio ambiente”. Barnes é um dos dirigentes da Aliança do Alasca e do Havaí pela Autodeterminação, um dos grupos que vem atuando no caso. Uma das ideias desses movimentos é a realização de um referendo popular nos dois territórios.

Conforme o DL, a rede Telesur e o Canal RT, o cientista político Francis Boyle esclareceu recentemente que o tratado entre o império russo e o USA, assinado em 1867, jamais significou a venda do Alasca aos ianques. “O que os russos venderam foram os direitos de comércio, os convênios mercantis que eles tinham com os povos nativos”, disse ele.

Dentre essas tribos estavam a Esquimó (etnias Inupiat e Yupik) e a Aleute (ou Aleuta).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin