Fifa: o maior escândalo é a própria Copa

A- A A+
Pin It
http://www.anovademocracia.com.br/152/16a.jpg
Marin e a gerente da semicolônia Brasil, Dilma

Entre os últimos dias de maio e a primeira semana de junho, a todo-poderosa Fifa, a entidade “sem fins lucrativos” que gerencia o futebol profissional em escala global — ou, melhor dizendo, que gerencia o esporte mais popular do planeta para enriquecer a seus próprios dirigentes, agentes, que tais e, acima de tudo, para incrementar os lucros de um punhado de monopólios a ela associadas para “explorar o futebol” — foi alvo de uma operação do FBI em sua sede na Suíça em que sete altos “cartolas” foram presos, entre eles o até há pouco presidente da CBF, José Maria Marin, por envolvimento em esquemas de corrupção (fraude, propinas, extorsão, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha…) que movimentaram até US$ 150 milhões desde a década de 1990.

Entre as fraudes que motivaram a operação do FBI na sede da Fifa, desencadeada a apenas dois dias da eleição para a presidência da entidade que confirmaria Blatter no cargo, está a compra de votos para a escolha de sedes das Copas do Mundo. Houve escândalo generalizado tanto entre os mais, quanto entre os menos crédulos no “fair play” exaustivamente arrotado por Blatter e camarilha, incluindo a imprensa esportiva dita “progressista”.

A compra de votos foi declarada em uníssono inaceitável, como jamais o foram as próprias Copas do Mundo, farras dos ricos, sobretudo as mais recentes, aquelas realizadas em nações de matriz semicolonial, África do Sul e Brasil, justamente pela necessidade de levar o “megaevento” a paragens gerenciadas por oportunistas ansiosos, acotovelando-se para darem à Fifa a carta branca que se tornou mais difícil conseguir nas nações centrais do capitalismo internacional depois que a crise geral começou a lhes implodir os cofres públicos como um rastilho de pólvora entre paióis.

O “escândalo” na Fifa e seus dosdobramentos é uma espécie de microcosmo da farra do grande capital nos países semicoloniais, nas nações exploradas no âmbito da divisão internacional do trabalho. A começar pelo próprio fato de que o “escândalo” desnovelado pelo FBI com requintes de espalhafato é digno das aspas se comparado ao escândalo real e maior que são as Copas propriamente ditas, com seus contratos lesa-povo assinados à luz do dia, deixados às claras para escrutínio, assinados sem pudores pelos mais servis sabujos que há no mundo, como Luiz Inácio e Dilma, mudando leis em favor de transnacionais, distribuindo isenções fiscais e, por fim, açulando as forças de repressão contra as massas revoltadas com tanta agrura no dia-a-dia para os trabalhadores e tanta livre esbórnia para Fifa e “sponsors”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Ora se não é a farra das Copas da Fifa em sua fase mais recente a metáfora perfeita, como costumam ser as metáforas futebolísticas, para o fascismo espalhado por toda parte e que se instala de maneira visceral especialmente na periferia do mundo capitalista em profunda crise, com a mobilização de todo o ordenamento político-jurídico destas nações visando a facilitação da concentração e da centralização do grande capital monopolista e do latifúndio — seu paraíso requisitado nesta fase de acirramento da crise e das contradições do sistema de exploração do homem pelo homem. Tudo à custa dos direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores e sob esforços contínuos e cada vez mais ferozes das classes dirigentes para manter as massas em permanente vigilância, intimidação e repressão.

Eis o grande escândalo da Fifa e de tudo mais.

Poucos dias depois do congresso da entidade, o mesmo Blatter, que celebrara entusiasticamente sua reeleição, mesmo que ainda sob o tilintar das algemas nos corredores onde circula todos os dias, renunciaria ao cargo, em claro sinal de uma pugna de bastidores para tentar poupar do xadrez o homem que há duas décadas esteve à frente da Fifa falando em “jogo limpo”, “legados” da Copa para os países-sede” e “função social do futebol”, da mesma forma que os monopólios mais sanguinários e usurpadores do planeta costumam ser os campeões da propaganda da “responsabilidade social das empresas”.

A crônica da imprensa burguesa internacional sobre a renúncia de Josef Blatter deu conta de que o futuro ex-presidente da Fifa deixou o cargo por estar sendo pressionado pela polícia e “pelos patrocinadores”. Após Blatter deixar o cargo, eles, os “patrocinadores”, maiores interessados em uma eventual “reforma” da Fifa que lhes dê uma bela maquiagem na fachada — como a CBF retirou o nome de José Maria Marin da fachada de sua sede —, começaram a se movimentar para garantir espaços no que virá a ser a tal “nova Fifa”.

Chung Mong-joon, herdeiro do grupo econômico que controla a montadora transnacional sul-coreana Hyundai marca que é um dos “patrocinadores masters” das Copas do mundo apressou-se a dizer que estava disposto a concorrer à presidência da Fifa nem bem o acolchoado da cadeira de Blatter na sede da entidade em Genebra terminara de esfriar. É quem realmente manda afinal requisitando as rédeas do negócio no momento em que a crise aperta, mais ou menos como Kátia Abreu no Ministério da Agricultura...

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja