“Acidentes” matam mais operários em Belo Monte e Jirau

No último dia 31/5, os corpos dos operários Denivaldo Soares Aguiar, José da Conceição Ferreira e Pedro Henrique dos Santos eram transportados para seus familiares em Araguaína (TO), Santo Antônio do Lopes (MA) e Tucuruí (PA), respectivamente.

Os trabalhadores morreram um dia antes, 30, quando um silo de estocagem de cimento se soltou e caiu sobre os três na área industrial de Belo Monte, no Pará. O silo era composto por tubos com capacidade de até 1.200 toneladas. Além deles, que foram encontrados sem vida após 15h de procuras, outros três trabalhadores ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital de Altamira.

O Consórcio Construtor Belo Monte, responsável por estas e por outras inúmeras mortes de operários nos rotineiros “acidentes” de trabalho, afirmou que se“solidariza com a dor dos familiares e está prestando todo o apoio às famílias’’. Sem tomar providências sérias, ano após ano, as notas públicas de “lamento” do Consórcio seguem se assemelhando umas às outras, porém sem citar a falta de medidas coletivas de proteção, as condições inseguras de serviço, as pressões e humilhações feitas pelos patrões, além da carga extenuante de trabalho.

Poucos dias depois, em 3 de junho, mais dois trabalhadores, desta vez no canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia, morreram eletrocutados em um novo “acidente” de trabalho. Os operários realizavam serviços na construção da usina na cidade de Nova Mutum e eram funcionários da Enesa Engenharia.

Segundo a página da Liga Operária, “o grupo francês GDF Suez, majoritário no consórcio Energia Sustentável do Brasil S.A. (ESBR), é o principal culpado por mais essas duas mortes de operários no canteiro de obras da UHE Jirau. A obra é tocada às pressas, com total negligência em relação às condições de trabalho. A terceirização e a quarteirização campeiam”. E prossegue denunciando “o excesso de jornada de trabalho” e “a truculência das chefias”.

“O governo brasileiro, corrompido pela GDF Suez e outras empreiteiras, é cúmplice das mortes e faz vistas grossas a matança de operários nas obras de construção de hidrelétricas e outras obras do PAC”.

As mortes de operários nos canteiros de obras das usinas hidrelétricas Brasil afora já foram denunciadas em diversas ocasiões nas páginas de AND. Para se ter uma idéia, em 2014 reproduzimos trechos do boletim ‘Luta Classista’, lançado no mês de setembro, denunciando “41 operários mortos e 10 desaparecidos nas obras das usinas de Jirau, Santo Antônio e do linhão de transmissão”. “Ressalte-se que essas 41 mortes são as que foram noticiadas. Os operários denunciam a ocorrência de muitos outros casos de acidentes, desaparecimentos, mutilações e mortes que são encobertas nas obras das usinas do Madeira e do linhão”.

Como resposta às tamanhas arbitrariedades, também as revoltas operárias são frequentes, e quase sempre reprimidas a ferro e fogo pelas forças policiais, como é o caso dos “dez operários desaparecidos desde a brutal repressão à greve de abril de 2012” em Jirau, fato também denunciado de forma enfática pelo ‘Luta Classista’.

“Utilização intensa de força de trabalho de operários migrantes aliciados em regiões pobres e distantes, trabalho escravo e trabalho noturno são alguns dos fatores que são a tônica nas obras do PAC do governo Dilma/Lula/PT e que continuam a tirar a vida de operários”, denuncia a Liga Operária em nota no dia 9 de junho sobre as mortes em Belo Monte.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin