“Um mundo sem cadeias seria maravilhoso”

A- A A+

http://www.anovademocracia.com.br/152/07a.jpg

No final de maio, em entrevista para o documentário Livres — iniciativa de um grupo de ex-presos, em parceria com A Nova Democracia e a Paêbirú Realizações —, a socióloga Vera Malaguti Batista falou sobre importantes questões, como o avanço de setores ultra-reacionários no Brasil, a proposta de redução da maioridade penal e, principalmente, o sistema prisional brasileiro. Professora de Criminologia da Universidade Cândido Mendes e Secretária Geral do Instituto Carioca de Criminologia (ICC), Vera começou dissertando sobre como seria um mundo sem cadeias, o que, para muitos, é difícil imaginar.

Vera: Um mundo sem cadeias seria um mundo maravilhoso. Nessa sociedade atual na qual o sistema penal é apresentado como a solução para todos os problemas, é ainda maior o nosso desafio de pensar uma forma, não somente de melhorar a situação das prisões que temos, mas sim de alargar nosso horizonte no sentido de começar a pensar um mundo sem prisões. Os povos originários que habitaram o Brasil não tinham um sistema penal, não tinham polícia, não tinham cadeias e resolviam seus problemas da mesma forma, assim como os povos que vieram da África para o Brasil. A gente pensa que a cadeia e a justiça penal fazem parte da nossa natureza, que no oitavo dia de criação o ‘Senhor’ fez o crime, a prisão, o criminoso. Tudo isso são construções políticas, econômicas e sociais.

AND: E em que momento da história a prisão se consolidou?

Vera: A prisão só se consolida quando a fábrica é consolidada. A prisão surge como um braço da fábrica no controle da mão de obra e da pobreza causada pelo processo de acúmulo de capital. Até o século XIII, os povos da Europa resolviam seus problemas comunitariamente. O sistema penal como o conhecemos começou a se desenvolver no século XIII em sintonia com o desenvolvimento do capitalismo, que é uma história de cerceamento de terras comuns, o fim do cultivo coletivo da terra, entre várias outras questões.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

AND: Cada vez mais, os discursos punitivos têm ganhado projeção no Brasil por intermédio de setores fascistas. Mas são só esses setores que adotam esses discursos e reivindicações?

Vera: O que a gente chama de “esquerda punitiva”, são setores da esquerda que ainda não se deram conta de que o sistema penal não resolve problema social nenhum, que continuam acreditando na punição como uma via. Como, por exemplo, o problema dos jovens, a forma como a sociedade julga os jovens. A rebeldia e o desrespeito às regras fazem parte da adolescência de quase todos os indivíduos. Qual o jovem que nunca fez uma bobagem, infringiu as regras? No dia em que tivermos uma juventude que abaixa a cabeça e se curva diante das regras da sociedade capitalista, esse será o dia do fim, do fim da utopia, do fim do futuro. Os que defendem a redução da maioridade penal dizem que 85% da população é a favor. Claro! São pessoas que não tiveram acesso ao outro ponto de vista.

AND: Você acha que dentro desse modelo de sistema penal é possível fazer com que os seres humanos se reinventem?

Vera: Tudo o que o sistema penal prometeu ele nunca cumpriu, nunca ressocializou ninguém, nunca recuperou ninguém, nunca reabilitou ninguém. É um castigo, meramente. A prisão marca as pessoas. Só quem esteve lá sabe como é difícil viver com esse trauma. Além disso, desde que a prisão se consolidou até os dias de hoje, o alvo dos encarceramentos foi os pobres. A prisão é extremamente seletiva. Ela serviu historicamente para disciplinar a mão de obra do capitalismo.

AND: E a polícia, o Bope e as UPPs, qual o papel dessas instituições do Estado?

Vera: A polícia cumpre o mesmo papel disciplinador. As pessoas têm a mentalidade de que os problemas sociais da Rocinha serão resolvidos colocando mil policiais dentro da favela. E na teoria esse cotidiano militarizado é uma iniciativa em nome da segurança pública, mas, na prática, representa uma interferência na vida das pessoas, que passam a precisar de autorização da polícia para fazer um batizado, para fazer um aniversário, para fazer um baile funk. O que eles chamam de pacificação é, na verdade, uma ocupação militarizada que se concentra em impedir os fluxos de movimentação dos pobres. É como um campo de concentração.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Mário Lúcio de Paula
Ana Lúcia Nunes
Matheus Magioli
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira