Notícias da Guerra Popular

Índia: ofensiva não detém a guerra popular

Em maio, as forças da contrarrevolução na Índia tomaram uma série de medidas nas zonas tribais e nas áreas de campo onde há forte atuação e influência do Partido Comunista da Índia (Maoísta).

O primeiro-ministro do país, Narendra Modi, destinou 3,3 milhões de euros em projetos de “caridade” no estado de Bastar, vasta região onde há grande movimento de massas e se desenvolve intensa ação do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigido pelo PCI (Maoísta), como forma de tentar afastar as massas do caminho da legítima luta por sua libertação.

Ao mesmo tempo em que realiza estas ações “caritativas”, o regime reacionário anunciou novos mega-projetos, entre os quais, uma usina siderúrgica de grandes proporções. Estes projetos, associados a ação predatória das grandes mineradoras, têm expulsado milhares de massas dos povos tribais e camponeses de suas terras, como tem comprovado a dura experiência. Além disso, as forças de repressão incrementaram o número de drones (aviões não tripulados) nas zonas tribais e de atuação do EGPL.

Ademais, foi feito o anúncio de que serão construídos 400 postos fortificados de polícia nos estados de Andhra Pradesh, Telangana, Bihar, Chhattisgarh, Jharkhand, Madhya Pradesh, Odisha, Uttar Pradesh e Bengala Ocidental.

Outra notícia fartamente veiculada por agências internacionais é de que o bando paramilitar contrarrevolucionário ‘Salwa Judum 2’ foi reativado para reprimir e massacrar os povos tribais e promover ações contra os maoístas.

Apesar de todo aparato e milhões investidos em contrarrevolução pelo velho Estado, as ações da guerra popular seguem ocorrendo em vários estados. Em 20 de junho, a página belga Secours Rouge noticiou mais uma exitosa emboscada do EGPL contra tropas das Forças Armadas de Chhattisgarh, no distrito de Dantewada, que aniquilou um militar.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin