Peru: 29º aniversário do Dia da Heroicidade

A- A A+
Pin It

Nota da Redação do AND: Em 19 de junho, Dia da Heroicidade, data que marcou os 29 anos da heroica resistência dos prisioneiros políticos e prisioneiros de guerra do Partido Comunista do Peru nos anos de 1986 e 1992, esta nota foi publicada e divulgada em várias páginas e blogs comunistas e revolucionários da internet. Dada a sua importância, traduzimos, adaptamos e reproduzimos aqui trechos desta nota extraída de vnd-peru.blogspot.com.

http://www.anovademocracia.com.br/153/19.jpg
Militantes do PCP transformaram os presídios em 'Luminosas Trincheiras de Combate'

O imperialismo se afunda cada vez mais em uma série de crises econômicas cada vez mais longas, persistentes, seguidas e em uma série complexa de guerras de todo tipo. O imperialismo está na etapa de seu afundamento e varrimento definitivo pela nova onda da revolução mundial, que começou por volta de 1980.

A luta interimperialista pelas fontes de matérias-primas e de energia, vias de comunicação, mercados para seus investimentos e mercadorias do Terceiro Mundo e por nova partilha, é cada vez mais aguda. Isto tem como consequência a agudização de todas as contradições no mundo atual, principalmente da contradição principal, porque o butim da disputa interimperialista são os países oprimidos.

A superpotência hegemônica única, o imperialismo ianque, em conluio e pugna com a outra superpotência atômica, Rússia, e as outras potências imperialistas, com sua guerra de agressão contra os países oprimidos do Terceiro Mundo, vai colhendo fracasso após fracasso. O plano do imperialismo ianque, encabeçado pelo genocida Obama, de “nativizar” sua guerra de agressão na Síria, Líbia, etc., ou também simulando sua saída como no Iraque e Afeganistão, e logo seguir controlando o país como nos anos de 1960 no Vietnã do Sul (com governo e exércitos títeres sob seu comando imediato, outras forças mercenárias e com apoio de ataques aéreos próprios e de seus “coligados”) já fracassou e, cada vez mais, terão que implicar-se mais na guerra de ocupação com ingentes recursos humanos e materiais, cujo custo o desgastará ainda mais. Esse mesmo caminho seguirá sua maior intervenção militar no Terceiro Mundo com o envio de suas “tropas de elite” (SEALS e outros) a 84 países (entre eles o Peru), para que se encarreguem de formar, sob seu comando, tropas nativas que combatam os nativos.

Estas derrotas do imperialismo são parte do varrimento, porque o levam de fracasso em fracasso. Apesar de terem que enfrentar a imensa carnificina, os povos dos países agredidos, ocupados, o fazem em condições relativamente difíceis por problemas de direção dessas lutas. Isso porque os maoístas não têm avançado o suficiente para dotar esses povos de Partidos Comunistas que os dirijam.

Mas a reação atiça a revolução e assim os povos do mundo vão desenvolvendo a nova grande onda da revolução proletária mundial. Daí também deriva a importância de seguir desenvolvendo a campanha em defesa do maoísmo e servir à guerra popular no Peru, na Índia, Turquia, Filipinas, etc., brigando para que se vá somando novas guerras populares com o desenvolvimento vitorioso do processo de reconstituição dos Partidos Comunistas. Isto é de grande importância no desenvolvimento da situação atual e de grande perspectiva estratégica para  mudar a correlação de forças entre revolução e contrarrevolução no mundo.

Como também é de suma importância a campanha internacional que se desenvolve em apoio à guerra popular na Índia, contra o genocídio levado a cabo pelo governo fascista desse país contra o povo e pela defesa dos presos políticos e prisioneiros de guerra nesse país do Sul da Ásia.

Como parte da mesma tarefa internacional também nos solidarizamos com os revolucionários das fileiras do Partido Comunista da Turquia/Marxista-Leninista (TKP/M-L), do Partido Comunista Maoísta (MKP) e outros presos na Turquia; assim como os dirigentes dos trabalhadores turcos da Confederação dos Trabalhadores Turcos na Europa (ATIK).

Consideramos também de grande necessidade apoiar a luta dos presos palestinos nas prisões do Estado sionista de Israel, a dos maoístas presos em Marrocos, a campanha pela libertação do comunista libanês Georges Ibrahim Abdallah, preso desde 1984 na França, dos prisioneiros políticos revolucionários na Itália, etc.

Na América do Sul é de suma importância unir a luta pela defesa de nossos prisioneiros de guerra assim como a luta em defesa dos prisioneiros políticos e sociais no Brasil, exigindo a liberdade de Igor Mendes e de todos os presos por participarem das lutas das massas brasileiras contra o governo reacionário e contra os latifundiários, grandes burgueses e o imperialismo.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Quanto ao desenvolvimento da situação atual em nosso país (Peru), a sociedade semifeudal e semicolonial, submetida ao imperialismo, principalmente ianque, sobre a qual se desenvolve um capitalismo burocrático, está cada dia mais afundada e junto com o velho Estado que a representa e defende. Se mantém somente por força das armas e a inércia. O governo fascista, genocida e vende-pátria de Humala é o mais serviçal do imperialismo, principalmente ianque, de todos os que o sucederam no governo do país e junto com seu Parlamento e sistema judicial, fiscal e carcerário. Dão mostra, a cada dia, de maiores sinais de decomposição.

Novos e imensos escândalos são destampados na disputa pelo butim público e particular entre as autoridades e representantes do velho Estado em todos os níveis.

Mas a ação reacionária atiça a revolução. O grande saqueio provoca o avivamento da luta camponesa.

Nesses dias, as mobilizações camponesas estão se expressando na luta do vale de Tambo, no sul do país, contra a mineradora imperialista Southern Copper Corporation (SCC) e contra a feroz agressão desatada pelo governo do genocida Humala, que mandou suas forças armadas para massacrar o povo.

Veem-se grandes mobilizações operárias e da pequena burguesia, como as ocorridas no final do ano passado e começo desse ano em curso, contra a superexploração, desemprego, fome, miséria e leis que suprimem direitos, que vão custando sangue em benefício do imperialismo, grandes burgueses e latifundiários.

Tem a greve nacional dos professores do Sindicato Unitário dos Trabalhadores da Educação do Peru (SUTEP), organizados no Comitê nacional de Luta e no Comitê Nacional de Reorientação e Reconstituição do SUTEP (CONARE-SUTEP), contra as leis da educação ditadas por este governo contra o magistério, os estudantes e o povo. Mobilização e greve nacional que é contra a direção nacional do SUTEP dos revisionistas do “Patria Roja” (partido revisionista), vendido a este governo e que, junto com as ratazanas do Conare-Modavef*, traem a luta dos professores e do povo para usar e desviá-las, para levar as massas a participarem das eleições reacionárias, para mudanças de autoridades do velho Estado.

Estas poucas lutas que mencionamos são mostra do desenvolvimento da situação revolucionária. Em todas essas mobilizações, lutando por dirigi-las, estão avançando firmemente os comunistas sob a chefatura do Partido e da revolução, o Presidente Gonzalo e o pensamento Gonzalo, em luta de morte contra o revisionismo de ambas LODs (Linhas Oportunistas de Direita) e do velho revisionismo. Assim, as massas vão sendo educadas na violências revolucionária e aplicam o aprendido da guerra popular.

Nesse processo, está avançando a tarefa de reorganização geral do Partido para solucionar o problema de direção da guerra popular e para, assim, se dar um novo grande impulso. Corresponde a quem no país tem assumido esta tarefa ir àqueles que, apesar de estarem trabalhando temporária e relativamente isolados, estão decididos a unir-se sob a chefatura do Presidente Gonzalo, baseados na BUP (Base de Unidade Partidária), para impulsionar a tarefa pendente.

Como parte de nossos afazeres, temos que seguir desenvolvendo a campanha internacional em defesa da saúde e da vida do Presidente Gonzalo, exigindo sua apresentação pública e direta perante a imprensa nacional e internacional para servir a impor o maoísmo como único mando e guia da revolução proletária mundial.

Honra e glória aos heróis caídos!

Viva o Dia da Heroicidade!

Viva o 35o aniversário da guerra popular no Peru!

Movimento Popular Peru (Comitê Reorganizador)

Junho de 2015

___________________
*Modavef - Movimento pela Anistia e Direitos Fundamentais: bando revisionista capitulacionista defensor de um “acordo de paz” com o Estado reacionário visando uma “solução política para os problemas derivados da guerra” dirigida pelo Partido Comunista do Peru.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja