Notas internacionais

A- A A+
Pin It

Chile: protesto popular no campo e na cidade

Com informações do periódico El Pueblo (Chile)

http://www.anovademocracia.com.br/153/18a.jpg
Protesto na véspera da Copa América

Operários em greve içam carro de patrão

Na tarde de 16 de junho, operários do Consórcio Construção Linha 3 (CCL3, empresa de capitais mexicanos e espanhóis) realizaram um protesto criativo. Içaram ao alto uma das caminhonetes utilizadas por um dos chefes — ao que parece um dos gerentes — da empresa utilizando uma das gruas usadas no próprio trabalho.

Durante a madrugada, cinco canteiros pertencentes à empresa — duas futuras estações de metrô e três estações de ventilação localizadas ao longo da Avenida Independência — foram tomadas pelos trabalhadores.

Segundo o jornal Solidaridad, “os operários da construção organizados pelo SINTEC-CHILE e pelo SINTRASAR decidiram deflagrar a greve a partir da zero hora do dia 15 de junho, quando não receberam resposta por parte da empresa (que deveria ter dado resposta no dia 14)”.

Cem mil professores nas ruas em Santiago

Em 17 de junho, professores de todo o país se reuniram na Praça Itália. Eles vieram desde o norte até o sul para marchar contra a carreira docente oferecida pelo governo, rechaçar as migalhas do ministério da educação e manter a dignidade da categoria: “Que a dignidade se torne um hábito”.

Professores de La Serena, Chiloé, Punta Arenas e de muitas zonas rurais se uniram na extensa marcha convocada em Santiago, que também contou com forte participação estudantil.

Aproximadamente cem mil pessoas foram contabilizadas pelos organizadores. A marcha se caracterizou pela quantidade de organizações de professores de várias regiões que chegaram para se unir aos da capital, demonstrando unidade e a legitimidade de suas demandas.

Esta mobilização foi uma das mais massivas dos últimos anos. A adesão foi majoritária em todo o país e a marcha demonstrou isso. Se pode perceber no ambiente que essa mobilização vai continuar. Ainda que dirigentes oportunistas vendam a luta, como já fizeram antes, apesar de tudo isso, se vê muita perspectiva nesse movimento.

E como diz um cartaz, isso já se converteu em uma revolução da educação em todo o Chile. Viva a justa mobilização dos professores!

Protesto mapuche durante a Copa América

Em 11 de junho, a população mapuche Ayún Mapu realizou um “corte de ruta” (bloqueio de estrada) na comuna de Quepe, próximo a Temuco, com referência a realização da Copa América. O protesto ocorreu na estrada onde estava prevista a passagem do ônibus da seleção peruana de futebol. Os 50 camponeses mapuches que participaram do protesto buscavam levar a conhecimento público suas demandas por território e mostrar ao restante dos países como se vive a injustiça no Chile. Um grande aparato repressivo foi deslocado para reprimir os manifestantes e remover o bloqueio da estrada.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Peru: Greve Nacional dos professores

Está em curso uma grande mobilização dos professores no Peru. A Greve Nacional por tempo indefinido mobiliza milhares de trabalhadores em vários departamentos e toma as ruas em protestos massivos e combativos enfrentando as leis antipovo de destruição do ensino público. Os professores combativos e consequentes se organizam no Comitê Nacional de Luta — composto por seções regionais do Sindicato Unitário de Trabalhadores em Educação do Peru (SUTEP) e professores independentes —, que está na linha de frente das mobilizações. A greve já dura um mês lutando contra o oportunismo dos dirigentes nacionais do SUTEP e o governo reacionário.

http://www.anovademocracia.com.br/153/18b.jpg
Cartaz da greve dos professores iniciada em maio

Exitoso início de nossa Greve Nacional por tempo indefinido!

Trechos da nota do Comando Nacional de Luta dos professores do Peru

O Comitê Nacional de Luta das Bases Regionais do SUTEP se dirige aos pais de família, estudantes, povo peruano, e saúda com júbilo e otimismo de classe todos os professores do Peru que vêm assumindo e participando ativamente da exitosa greve nacional por tempo indefinido deflagrada em 27 de maio de 2015 por:

- Defesa da Escola Pública e Gratuita, contra a privatização das Instituições Educativas através das APP.

- Defesa da estabilidade no regime de trabalho e dos direitos conquistados sob a lei nº 24029. Pela revogação da lei de “Reforma Magisterial” nº 29944 e pela imediata reposição dos professores demitidos.

- Pelo pagamento imediato da dívida de bonificações pelo cumprimento de 20, 25 e 30 anos de serviços, subsídios por luto e funeral, 30% por bonificação de preparação de aulas, férias, transporte, etc.

- Aumento dos salários para todo o magistério em atividade e o incremento das pensões para professores afastados e jubilados.

- Nomeação automática dos professores contratados.

- Contra a perseguição política e criminalização das lutas populares.

Nossa Greve Nacional por tempo indefinido é uma manifestação de força, respaldada no nosso direito de defender nossos legítimos interesses como trabalhadores da educação.

Expressamos nosso reconhecimento aos professores das províncias que vêm assumindo com decisão e firmeza o início da Greve Nacional por tempo indeterminado [...] e chamamos os professores de Lima e Callao para se somarem na justa e correta luta que vai crescendo. Por outro lado, tenhamos claro que nenhuma luta tem se dado com flores nem cravos. Ainda mais nessa ocasião, é e será dura, pois estamos contra uma lei de “Reforma Magisterial”, cavalo de batalha do governo e facilitador da grande inversão privada que condenou todos os professores a uma morte civil, pedagógica e laboral.

Nenhum trabalhador do setor da educação está a salvo: auxiliares, professores, diretores, trabalhadores administrativos, todos somos varridos e expulsos massivamente do trabalho, pois somente com a publicação da lei nos mudaram de um regime de trabalho estável a outro flexível. Essa é a causa das demissões massivas que estão se dando. Por tal razão, HOJE, É UMA NECESSIDADE URGENTE LUTAR UNITARIAMENTE COMO UM SÓ PUNHO NA GREVE NACIONAL POR TEMPO INDEFINIDO iniciada em 27 de maio, porque dela dependerá nosso futuro e do povo.

Viva a Greve Nacional por tempo indefinido!

Em defesa da Escola Pública e contra a privatização via concessões às APP!

Abaixo a ilegal lei nº 29944 de “Reforma Magisterial”!

Solidariedade com os diretores e professores demitidos! Exigimos sua imediata reposição, não mais demissões!

Abaixo a perseguição política aos professores dirigentes consequentes do SUTEP!

Lucio Ccallo Ccallata
Presidente do Comitê Nacional de Luta

Lima, 27 de Maio de 2015

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja