Radiante estrela vermelha da revolução

A- A A+

O Comitê Regional de Mindanao Sul do Partido Comunista das Filipinas emitiu comunicado em tributo ao combatente Leoncio “Ka Parago” Pitao, inimigo implacável do imperialismo, do velho Estado filipino e suas forças armadas fascistas. Extraímos trechos e informações desse comunicado para que nossos leitores possam conhecer um pouco da vida desse grande combatente.

http://www.anovademocracia.com.br/154/20a.jpg
Milhares de filipinos renderam homenagens a Ka Parago

"Vida longa à Revolução! Vida longa às massas!’ Estas foram as últimas desafiantes palavras pronunciadas por Ka Parago que ressoam em todo o arquipélago."

Ka Parago (1957-2015)

Seu pai era um camponês humilde que cultivava um pequeno pedaço de terra e aumentou a renda familiar como coletor de tuba (subproduto de uma espécie de palmeira). A pobreza e a fome com que deparava em toda parte, suscitou o jovem Parago a questionar o porquê daquilo e, na tenra idade, aos 22 anos, ingressou nas fileiras do Novo Exército do Povo (NEP). Isso foi em 1979, durante os anos brutais da lei marcial e em meio a condições socioeconômicas duras, quando o movimento revolucionário em Mindanao estava na sua fase nascente e havia apenas algumas centenas de combatentes do NEP.

Ka Parago e seus companheiros organizaram e ensinaram os camponeses a defender suas terras e lutar por seus direitos. Lutou contra os grandes madeireiros. Onde quer que fosse, Ka Parago trabalhou duro pelos interesses e bem estar dos pobres. 

O trabalho revolucionário no campo ensinou Ka Parago os caminhos ziguezagueantes da guerra popular.  Ele era mais do que um general nas trincheiras de combate. Ka Parago foi um dos melhores descendentes da revolução de Nova Democracia. Ele mostrou atributos de um lutador e excepcional  membro do Partido Comunista das Filipinas.

Após cumprir importantes tarefas de níveis distritais, ele foi designado para tarefas de nível regional e responsabilidades no Novo Exército do Povo. Como comandante do NEP, Ka Parago treinou inúmeros jovens combatentes na arte da guerra.

Apesar das importantes conquistas, Ka Parago permaneceu humilde e estava sempre aberto a críticas, com o objetivo de melhorar a sua compreensão e seus métodos de trabalho. Ele exerceu grande influência sobre os comandantes  do NEP na região para que compreendessem o chamado nacional do Partido para a construção de bases de apoio, da revolução agrária e da luta armada.

Ele compreendeu profundamente a linha de massas, viveu e lutou com as massas pela libertação nacional e por uma democracia genuína. Em troca, as massas o abraçaram e protegeram, reconhecendo-o como um de seus filhos.

Quando ele foi detido e torturado em 1999, o inimigo tentou cooptá-lo com o “dinheiro da recompensa”, mas ele manteve-se firme em suas convicções e sempre fiel ao espírito comunista de defender o interesse e a segurança do povo e das forças revolucionárias. Ka Parago é uma estrela vermelha brilhante da revolução.

Mesmo quando estava de luto e sofrendo pela trágica morte de sua filha Rebelyn, que foi estuprada e morta por agentes (MIG21) do Serviço de Inteligência das Forças Armadas, em 2009, Ka Parago exerceu sua sabedoria política.

Ka Parago manteve-se forte e vigilante em face de inúmeras operações e ataques inimigos.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Somente quando ele estava muito doente e fraco os militares lhe acessaram um golpe fatal. Ka Parago foi assassinado a tiros por soldados de duas divisões do exército reacionário quando realizava tratamento para diabetes, hepatite e hipertireoidismo. A médica Ka Kyle (Vanessa Limpag), que realizava seu tratamento, também foi assassinada.

Ka Parago merece a mais alta honraria revolucionária proletária e reconhecimento.

As massas do sul de Mindanao, especialmente os lumads (povo tribal) e os camponeses nas bases guerrilheiras, se lembrarão de Ka Parago como seu “Tatay” (papai) mais amado, que estava sempre ao seu lado, pronto para ouvir e ajudar.

Ka Parago viveu de modo muito simples. Desde o início de sua doença, ele recusou a oferta de uma licença médica do Partido. Tudo o que queria era, até seu último suspiro, viver com as massas camponesas e os lumads para servi-los. Sua vida espartana e seu senso de responsabilidade sem limites fez com que Ka Parago seja um exemplo duradouro para todos os revolucionários que o conheceram e trabalharam com ele. 

Ele permanecerá como o grito de guerra que irá mover as pessoas para trabalhar e lutar pela revolução. Milhares de jovens revolucionários que foram inspirados por esse grande combatente agora seguirão os seus passos. 

As massas e camaradas lamentam sua morte, sim, mas transformam essa tristeza em maior ardor revolucionário e compromisso, assim como seguirá avançando a guerra popular.

Pelo Comitê Regional do Partido

Mindanao do Sul

Um mar de pessoas com bandeiras vermelhas e faixas tomou as ruas da cidade de Davao, em Mindanao, no cortejo dos funerais de Ka Parago. Em demonstração de profundo respeito e reconhecimento do papel do veterano dirigente, as massas entoaram palavras de ordem e renderam honras ao exemplar comunista e combatente em seu sepultamento.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja