Música regional e do mundo inteiro

A- A A+

Nome importante no cenário da música instrumental, o paraense Sebastião Tapajós é um brasileiro conhecido no mundo, e referência para muita gente. Radicado em Belém, o veterano violonista e compositor nunca abandonou sua cultura, e está envolvido com os movimentos de música do seu lugar.

http://www.anovademocracia.com.br/154/15a.jpg

— Sou do Baixo Amazonas, de Alenquer, oeste do Pará, uma várzea que é um braço de Rio, onde desemboca o Surubiú, esse rio grande que vem desde Roraima etc. Nasci praticamente dentro de um barco, porque abril é um mês de cheia, e as várzeas ficam todas cobertas pelas águas — conta.

— Comecei a tocar violão, porque meu pai tinha um violãozinho simples lá, que estava todo descolado, e resolvi fazer uns reparos na madeira. Ele vendo aquilo me disse: ‘ah, tu gosta de música né’, e comprou um violão para mim — diz.

— Mudamos para Santarém, que é uma cidade maior um pouco, e ele me colocou na aula de violão do João Fona. E na minha inocência de criança, tinha muita vontade de aprender partituras, porque pensava que assim ficaria independente, não precisaria mais ir para aulas.

Sebastião diz que sempre foi muito curioso, e isso o ajudou a tocar o que ouvia.

— Naquela época não tinha televisão nas casas, era só rádio mesmo, e eu vivia ouvindo e tirando as músicas. Meus amigos falavam ‘onde ele aprendeu isso’? E não acreditavam que foi pela rádio. Fora isso, ouvia muito Dilermando Reis e Garoto, referências para mim — fala.

— Com aproximadamente uns 16 anos surgiu uma oportunidade de caminhar para Belém. Tive apoio de um professor, que me ouviu tocar clássicos, Chopin e essas coisas, e se agradou muito.

— Estudei também com o Othon Salleiro, do Rio de Janeiro, uma capacidade maravilhosa, criativa e de técnica violonística. Além de músico ele era psiquiatra (risos). Fiquei trinta e poucos dias em sua casa, e pude aprender muito — conta.

Em 1964 Sebastião embarcou para a Europa, com uma bolsa de estudos no Conservatório de Lisboa.

— Foi um pessoal de Portugal que me ouviu tocar no teatro da Paz, aqui em Belém, e proporcionou isso. Passei o ano todo lá e metade de 65, estudando com figuras importantes no ensinamento do violão clássico na época — diz.

 — Depois ganhei outra bolsa para estudar no Conservatório de Madri, na Espanha. E fiquei nesse pingue pongue, fazendo uns concertos, sobrevivendo já de música, e tinha vinte anos de idade — continua.

— De volta para Belém, me deram uma cadeira de música no Conservatório Carlos Gomes. E surgiram outras viagens e promessas de Showsacrescenta Sebastião, que se mudou para o Rio de Janeiro em 1967, e conheceu Billy Blanco e Baden Powell.

Amizades, parcerias e música

http://www.anovademocracia.com.br/154/15b.jpg

— Certa vez o Billy me disse: ‘hoje à noite o Baden Powell vai estar lá com o pessoal, numa reunião. Tem um detalhe Tião, ele vai estar com o violão na mão, não larga, ele é viciado (risos), toca o tempo todo. Mas vai ter um momento que vai cansar, então vou pedir pra você tocar’.

— E continuou: ‘Se ele não gostar de te ouvir, vai dizer que vai ao banheiro e não volta mais’. Eu disse: ‘Está legal Billy’. E assim foi. Chegamos as 22 horas, o Baden estava tocando. Quando foi umas 2 horas da madrugada ele parou de tocar, deixou o vilão — recorda com alegria.

— Então o Billy disse: ‘Olha, tem uma amigo aqui que chegou lá da minha terra, queria que você ouvisse’. ‘Toca Tião’. Toquei a primeira, quando terminei ele ajeitou os óculos, e disse: ‘Toca mais uma’. Toquei a segunda, a terceira. Ele levantou e disse: ‘Puxa, até que enfim eu gosto de um cara que toca violão’ .

Muita gente ficou sabendo dessa história, que serviu de impulso para sua carreira.

— O Baden era a maior sumidade na música, e foi um ícone do violão brasileiro para o mundo. Acabei ficando seu amigo. Outras histórias desse tipo fazem parte da minha vida, com todo esse pessoal que conheci, fiquei amigo — comenta.

Entre as suas muitas parcerias estão: Sivuca, Altamiro Carrilho, Waldir Azevedo, Gilson Peranzzetta, Hermeto Pascoal, Arismar do Espírito Santo e Mauricio Einhorn.

— Foram muitas viagens pelo país, Europa. Só para a Alemanha fui umas 90 vezes. Morei muitos anos no Rio de Janeiro, vivi em Curitiba, ficava nesse pingue pongue. Mas nunca deixei de verdade a minha região — expõe.

— Penso que todos nós temos as nossas raízes, e o homem tem que viver principalmente apoiado nelas. Nunca larguei essas influências que tive na infância, os carimbós. O Naná Vasconcelos é a mesma coisa, não larga o maracatu dele lá — diz.

Entre outros, Sebastião Vasconcelos tem uma série de discos amazônidas. Recentemente fez um CD de guitarrada, gênero paraense que nasceu da mistura de carimbó, cúmbia, choro e jovem guarda.

— Ficou um trabalho regional nortista. ‘Aos da Guitarrada’ é uma homenagem aos mestres da guitarrada, e um amigo meu lá de São Paulo, o Marco Bosco, ouviu e me disse: ‘Oh Tião, com esse CD até poste dança’ — brinca.

Sebastião tem feito trabalhos com jovens violonistas e pianistas.

— Vou passando meu saber para a garotada, porque ninguém leva nada dessa vida. É uma sabatina, um negócio que vai funcionando, tanto que faço na base do ‘vem aqui em casa que vamos começar um trabalho, não está nada pronto’ — relata.

— Devo gravar um disco com um pianista chamado Anderson, lá de Santarém, e gravei um aqui em Belém com Igor Capela, violonista e guitarrista — conta.

— Gravei há pouco também um disco com o argentino Sergio Abalos, com uma das Quatro Estações, do Piazzolla, e músicas minhas e dele. Inclusive, no ‘Aos da Guitarrada’ tenho uma música dedicada a ele, chamada Milongueiro Abalos — continua.

No momento Sebastião está preparando um novo trabalho, que deverá ser de coletâneas.

— Provavelmente serão três coletâneas, duas com parceiros de várias partes do país e uma de violão solo. Esse trabalho será muito bonito, muita coisa já está feita. Fora isso, estou envolvido com os movimentos de música daqui —  fala.

 — Por exemplo, me dou com o pessoal do choro de Belém. De vez em quando fazemos algumas coisas juntos. Já compus muitos choro também — continua.

— Tenho uns 70 discos gravados, entre bolachão e CDs, e alguns prêmios, sendo que destaco o Grande Prêmio do Disco do Ano, na Alemanha, em 1982. E a vida segue — conclui Sebastião Tapajós.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  é seu contato.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja