Deficientes têm seus direitos atacados também

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Que as medidas provisórias 664 e 665 são os mais perversos e agressivos atentados cometidos contra a sobrevivência física de viúvas, órfãos, trabalhadores doentes e desempregados em toda a história do Brasil, não é novidade há algum tempo. O que há de novo é que, ao sancionar a primeira delas, em 17 de junho, transformando-a na Lei 13.135, o governo da senhora Rousseff incluiu entre suas vítimas os deficientes.

Temerosos da reação popular, envergonhados por aprovar algo tão lesivo às famílias trabalhadoras e a seus membros mais vulneráveis ou simplesmente desejosos de contemporizar o que não pode ser contemporizado, deputados e senadores inseriram na lei em questão algumas salvaguardas em favor dos portadores de deficiência, de modo a minorar, para eles, os efeitos mais destrutivos da MP 664.

Uma dessas tentativas de compensação tinha a ver com os critérios para pagamento de pensão pelo INSS aos filho(a)s deficientes de trabalhadores que falecem. Claro que, assumindo a “corresponsabilidade com o ajuste fiscal de longo prazo e a agenda de reformas” imposta pelo Fórum Nacional em seu encontro de maio, tiveram o cuidado de determinar também que essa garantia só passaria a vigorar daqui a dois anos. Mesmo assim, a mudança foi vetada por Dilma — ao que consta da mensagem enviada ao Congresso, por sugestão do ministério da Fazenda.

O texto original da Lei de Benefícios da Previdência Social, de 1991, assegurava pensão ao filho “menor de 21 anos ou inválido”. Em 1995, por iniciativa do governo FHC, aprovou-se uma lei modificativa determinando que os filhos inválidos só teriam direito à pensão pela morte dos pais se a invalidez, entendida como incapacidade para o trabalho, tivesse começado antes que eles atingissem a maioridade civil, o que se dava aos 21 anos. Essa restrição era tão descabida que o próprio FHC só a efetivou quatro anos depois, no fim de 1999. Em 2003 (início do governo Lula), a maioridade civil e o consequente limite etário para início da invalidez passaram a dar-se aos 18 anos, piorando a situação.

Em 2011, na esteira da Convenção Internacional sobre Direitos das Pessoas com Deficiência, a lei previdenciária foi novamente modificada, passando a prever o pagamento de pensão, em caso de morte do(a) trabalhador(a), ao filho “menor de 21 anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente”. Assim, no caso de uma deficiência psíquica e/ou cognitiva grave o bastante para justificar a interdição civil, tornou-se legalmente possível o acesso à pensão independentemente da data de início da invalidez.

Ao aprovar a Lei 13.135, o Legislativo estendeu esse direito aos filhos portadores de deficiências físicas e eliminou, para os deficientes mentais, a exigência da interdição — um procedimento judicial moroso, caro, conflitivo e, na grande maioria dos casos, inútil, já que seu objetivo é impedir que a pessoa declarada civilmente incapaz administre bens e rendas, coisas que a imensa maioria dos filhos deficientes de trabalhadores cobertos pelo INSS não tem. O governo do PT e do Pecedobê, mesmo sob cerco desse Congresso mais conservador de todos os tempos, vetou, “heroicamente”, a mudança.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin