Jovem é assassinado pelo Bope no Rio: “Bala perdida acerta a pessoa duas vezes?”

A- A A+

No dia 29 de junho, foi enterrado no cemitério do Catumbi, Zona Norte do Rio, o corpo do jovem motoboy Rafael Camilo Néris, de 23 anos. Segundo testemunhas, Rafael foi executado com dois tiros por policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM que faziam uma operação no morro da Coroa, região central do Rio, dois dias antes. O corpo de Rafael chegou ao Instituto Médico Legal sem roupas, sapatos ou documentos. Segundo a perícia, Rafael foi alvejado por dois tiros, um a longa distância no pescoço e outro à queima-roupa no peito — disparo que teria ceifado a vida do jovem trabalhador.

http://www.anovademocracia.com.br/154/06a.jpg
Manifestação de moradores no dia do velório de Rafael

Os disparos “à queima-roupa” recebem esse nome, pois deixam um resquício de pólvora que queima as bordas da perfuração causada pelo projétil. Por isso, policiais tiram as roupas das vítimas para destruir as provas de uma evidente execução sumária com um tiro à queima-roupa.

Testemunhas que preferem não se identificar por medo de represálias disseram à reportagem de AND que Rafael foi ferido com o primeiro tiro enquanto dirigia a sua moto. Em seguida, policiais se aproximaram. Rafael teria implorado por sua vida, mas, mesmo assim, PMs o executaram com um tiro no peito e o colocaram na viatura. O jovem era entregador de uma famosa pizzaria do Rio de Janeiro, a Santa Pizza, e pela manhã fazia entrega de livros e revistas. O assassinato a sangue frio causou revolta entre moradores, já que Rafael era muito querido no complexo de favelas de São Carlos.

Nossa comunidade está pedindo socorro, a gente não aguenta mais agonizar. Pode colocar na conta, pois o Rafael é só mais um na conta do Pezão. Eu quero ouvir o que ele tem para dizer, porque isso tem que parar — diz um morador do morro da Coroa.

Cerca de 300 pessoas compareceram ao seu enterro e fizeram um protesto em seguida. A manifestação atravessou o túnel Santa Bárbara até o Palácio Guanabara, sede do gerenciamento estadual. Amigos e parentes de Rafael foram recebidos por um assessor do gerente estadual Luiz Fernando Pezão, que nada fez além de anotar os telefones dos familiares. Em seguida, moradores voltaram para o complexo de São Carlos pelo mesmo caminho. No trajeto, policiais tentaram provocar manifestantes e foram respondidos com vaias.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja