Peru: “Reféns do Sendero” é campanha de desinformação

A- A A+

Campanha mentirosa só revela o temor da reação ao PCP e à Guerra Popular

Na última semana de julho, o monopólio internacional dos meios de comunicação e sua sucursal no Brasil alardearam uma operação que teria “libertado 13 mulheres e 26 crianças sequestradas pelo Sendero Luminoso”. Essas notas apócrifas de matérias requentadas atribuíram ao heroico Partido Comunista do Peru (PCP) o “sequestro, estupro” e “aliciamento dos menores para a guerrilha”. São as mesmas acusações já feitas em outras ocasiões pelos regimes reacionários e pelas forças de repressão monitoradas e dirigidas pela CIA ianque ao longo das últimas décadas. Dita operação é parte dos planos que se sucedem para combater o PCP e aplastar a Guerra Popular, bem como para assassinar na prisão a sua chefatura, o Presidente Gonzalo (Abimael Guzmán Reynoso).

O epíteto “Sendero Luminoso” foi cunhado pela própria reação para tentar desqualificar o PCP, que, sob a chefatura do Presidente Gonzalo, em 17 de maio de 1980 desencadeou a Guerra Popular que estremeceu todo o Peru. Atingiu a etapa de equilíbrio estratégico no início dos anos de 1990 e sacudiu o velho e reacionário Estado peruano, destruindo suas estruturas em grande parte do seu território, principalmente em vastas zonas da serra andina, criando as bases de apoio revolucionárias e do Novo Poder, através dos Comitês Populares. A Guerra Popular repercutiu em todo o mundo e encheu de alegria os corações e mentes dos revolucionários e oprimidos da terra. Ainda que os governos de turno que sucederam Fujimori seguissem repetindo mil vezes o seu fim, o PCP segue brigando duramente contra o vento e a maré da contrarrevolução e da ação dos revisionistas traidores e capituladores.

O Presidente Gonzalo, chefatura do PCP e da Revolução Peruana, encontra-se encarcerado em uma cela subterrânea, em completo isolamento e incomunicável desde setembro de 1992, quando foi preso juntamente com grande parte do Comitê Central do partido. Ele, o pensamento guia da revolução peruana, denominado pensamento Gonzalo, aplicação criadora do marxismo-leninismo-maoísmo à realidade concreta do Peru, é alvo constante de maquinações arquitetadas pela CIA ianque e os serviços de inteligências peruanos para atribuir ao Presidente Gonzalo supostas “cartas de paz” e negociações para uma “solução política para os problemas derivados da guerra”. O Estado reacionário serviçal do imperialismo alimenta e dá todas as condições para a articulação, desde as prisões, de elementos capituladores e o desenvolvimento de Linhas Oportunistas de Direita (LODs), revisionistas e capitulacionistas, para atacar a chefatura, o PCP e a Revolução Peruana.

Cabe aos revolucionários e pessoas honestas desmascarar essas invenções, que também foram fartamente repercutidas no monopólio de imprensa no Brasil, e afirmar que, a respeito dessa última montagem:

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

1Que certa “guerrilha” de dito “camarada José” que se diz existir atualmente no Vrae (Vale dos Rios Apurímac e Ene), local onde se noticiou que estas mulheres e crianças foram resgatados, não se trata de Partido Comunista do Peru ou “Sendero Luminoso”, mas sim de agrupação mercenária que tenta se apropriar do nome e prestígio do PCP perante as massas e os revolucionários de todo o mundo para servir à reação e aos planos contrainsurgentes do governo e das forças armadas reacionárias do Peru, sob a direção da CIA. Dito “José” representa uma entre as LODs (a outra se apresenta por Movadef — movimento pela anistia e direitos fundamentais), gente que capitulou da luta revolucionária e maquinou com a reação a prisão do Presidente Gonzalo, para usurpar a direção do PCP, pôr fim à Guerra Popular e derrotar a revolução.

2Que todas essas invenções e mentiras revelam o temor dos reacionários e revisionistas com a Guerra Popular e o Partido Comunista do Peru, que, apesar das duras condições que enfrenta — com a prisão de sua chefatura, o assassinato nas prisões de valorosos quadros revolucionários e a dispersão provocada por esse “recodo” (curva no caminho, como afirmou o Presidente Gonzalo em seu último discurso após sua prisão) —, luta por sua reorganização geral. A Guerra Popular do Peru é o processo revolucionário mais importante da história da América Latina e tem representado o que há de mais avançado na compreensão e aplicação do marxismo-leninismo-maoísmo para a revolução proletária mundial.

E esse pavor da reação é justificado, uma vez que a Guerra Popular é invencível e por mais duros que sejam os golpes da reação, como bem afirmou o Presidente Gonzalo como predicado por Marx e Engels no Manifesto do Partido Comunista, “a toupeira segue cavando”, e os revolucionários peruanos cumprirão sua tarefa de solucionar o problema de direção do PCP e da Guerra Popular e lhe darão novo impulso, a serviço da revolução Mundial.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja