Discutindo a redução da maioridade penal e o fascismo

Em tempos de aguda crise econômica e política e debate acerca da redução da maioridade penal, parece-me bastante oportuno discutir o sistema penitenciário brasileiro — desaguadouro de grande parte das mazelas que castigam nosso povo. Aqui, como sempre, é um bom ponto de partida separar o joio do trigo.

http://www.anovademocracia.com.br/155/13.jpg

Discordo veementemente daqueles que minimizam a importância que terá a redução da maioridade penal, com o argumento de que ela apenas legalizará uma situação existente. Num certo sentido isso está certíssimo: dizer que os centros “sócioeducativos” não são prisões é falsear grosseiramente a realidade, e não raro são prisões ainda piores que a dos adultos. Ocorre que aceitar a legalização da barbárie é possibilitar a sua legitimação, que é coisa diversa, liberando assim as mãos de nossos algozes para que nos golpeiem livremente. A tortura também é praticada em larga escala, e nem por isso me parece que alguém são dará de ombros se houver alguma tentativa de formalizá-la.

O sistema penitenciário está absolutamente superlotado. Qualquer medida que se encaminhe no sentido de encerrar mais pessoas nas suas masmorras terá efeitos nefastos e bastante concretos sobre seres humanos reais, amontoados em condições medievais.

Demagogos e oportunistas

De modo algum devemos crer que esse debate poderá ser travado, e resolvido, no âmbito do Congresso Nacional. De um lado, o PT age de modo demagógico, tentando, em torno desse tema, apresentar-se como uma alternativa à esquerda visando as eleições de 2018. Concorda, na verdade, em aumentar o tempo máximo de internação previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) de três para oito anos, o que é simplesmente uma pena em regime fechado com outro nome. Administra há doze anos o velho Estado semifeudal e semicolonial brasileiro, período em que a massa carcerária dobrou. Além disso, tão grave quanto reduzir a maioridade penal, é aprovar diariamente medidas que retiram direitos sociais dos trabalhadores, o que aumentará o quadro de marginalização e abandono das futuras gerações, retroalimentando assim o perverso ciclo vicioso que desemboca no sistema penal.

Temos, de outro lado, oportunistas, como Eduardo Cunha, pescadores de águas turvas, que pegam carona na histeria alimentada diuturnamente pelos monopólios de imprensa em torno do aumento da criminalidade. Querem aparecer, nada mais. Ambos grupos sequer se aproximam da essência da questão, que é o fato de que, no Brasil, o que existe é uma punição seletiva, uma política de assassinato e encarceramento da juventude pobre especificamente.

Um pouco sobre as entranhas do sistema penitenciário

Disse repetidas vezes que a tortura é a espinha dorsal do sistema penitenciário. O tratamento cruel, desumano e degradante dispensado aos presos é regra. A privação da liberdade é, em si mesma, ainda que nas condições ideais previstas em lei, medida drástica, terrível, frequentemente aplicada pelos Tribunais como antecipação de pena, desrespeitando ostensivamente o Código de Processo Penal e jurisprudência de Cortes Superiores.

Não há, no interior do sistema prisional, qualquer separação por artigos, tempo de condenação ou periculosidade: eu mesmo, preso provisório pela acusação de associação criminosa armada (pena máxima de 4 anos e meio), dividi cela com todos os tipos de processados, principalmente pelos crimes de homicídio, assalto à mão armada e tráfico de drogas, os três grandes grupos de detentos. Também dividi cela com presos condenados, algo terminantemente proibido por lei. Jamais tive qualquer problema com meus companheiros de infortúnio, aliás, mas essa experiência desmente flagrantemente o discurso de que os adolescentes entre 16 e 18 anos serão alocados em espaços destacados dos demais detentos. Eu duvido. Acesso a estudo e trabalho, bem como a atendimento médico ou psicológico, previstos na Lei de Execuções Penais, também são ficção, na maior parte dos casos. A taxa de reincidência é altíssima, e há até um dito dos presos sobre isso: “cadeia é igual ímã, atrai mais cadeia”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin