Chacinas de Acari e da Candelária: Terrorismo de Estado só aumentou

A- A A+

Dois dos mais marcantes episódios do terrorismo de Estado no Brasil, as chacinas de Acari e da Candelária completaram 25 e 22 anos, respectivamente, no último mês de julho.

Em matéria intitulada Chacina de Acari: “Eu não acredito nessa justiça” (AND nº 69, setembro de 2010), lembrávamos que, no dia 26 de julho de 1990, “onze pessoas — a maioria do bairro pobre de Acari, no subúrbio do Rio de Janeiro — foram sequestradas por um grupo de extermínio formado por policiais civis e militares”. E que, “duas décadas depois, os assassinos seguem à solta e as vítimas continuam desaparecidas, aumentando a cada dia o sofrimento de seus familiares depois de tantos anos de luta. No dia 25 de julho [de 2010], com a prescrição do crime, parentes e amigos dos jovens desaparecidos perderam ainda mais a esperança de encontrar respostas para mais um dos muitos crimes desse Estado fascista contra o povo pobre”.

Nesta mesma ocasião, entrevistamos a companheira Marilene Lima de Souza, mãe de Rosana de Souza Santos, uma das vítimas da chacina. Nossa equipe foi até Acari e ouviu o relato desta guerreira, “uma mãe cansada e adoecida após 20 longos anos de luta por justiça e buscas pelo corpo de sua filha e dos outros 10 desaparecidos”. Dois anos depois desta entrevista, em outubro de 2012, Marilene faleceu, aos 61 anos, sem enterrar sua filha.

Três anos depois de Acari, na madrugada de 23 de julho de 1993, dezenas de jovens moradores de rua foram surpreendidos por uma operação de extermínio de policiais militares e civis enquanto dormiam nas proximidades da Igreja da Candelária, no coração do Centro da capital fluminense. Resultado: oito crianças e adolescentes fuzilados covardemente e dezenas feridas.

Neste mesmo ano, no dia 15 de janeiro, uma outra mãe de Acari, Ediméia da Silva Euzébio, era assassinada junto com Sheila da Conceição numa emboscada no estacionamento do metrô da Praça Onze. Mais uma tentativa criminosa de intimidar a luta dos familiares vítimas da violência.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait