Imperialismo atira Ucrânia ao fascismo, à guerra civil e ao FMI

No fim do último mês de julho, o gerenciamento de Petro Poroshenko na Ucrânia anunciou, pela voz do seu ministro da justiça, Pavel Petrenko, que Kiev passava a considerar oficialmente  ilegais as atividades dentro do território ucraniano do Partido Comunista da Ucrânia, do Partido Comunista (renovado) e do Partido Comunista dos Trabalhadores e Camponeses da Ucrânia.

Petrenko foi quem assinou o decreto segundo o qual passava a vigorar, a partir do último dia 24 de julho, a lei que transformou o funcionamento dessas três organizações em atividade ilegal. A mesma lei tenta, mais uma vez naquele país, equiparar o comunismo ao fascismo, prevendo que o Estado ucraniano deve seguir pistas dos crimes cometidos durante a ocupação nazista do país, mas também os supostamente cometidos durante a vigência da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, como se o comunismo não fosse o inimigo de morte do fascismo, e como se fascistas não fossem justamente os mesmos que tentam agora tirar do seu caminho por decreto aqueles que historicamente e politicamente são os seus antagonistas de fato e por autoridade.

Em maio deste ano, o gerenciamento Poroshenko havia proibido o hasteamento da bandeira soviética e a reprodução do hino da Revolução Bolchevique. Havia também mandado derrubar os monumentos a líderes comunistas que ainda estavam de pé na Ucrânia e começado a mudar os nomes de mais de mil cidades e aldeias batizadas em homenagem à grande revolução proletária na Rússia, além de anunciar penas de até dez anos de prisão para quem exibisse símbolos comunistas.

E se a escalada fascista na Ucrânia é uma matiz da “guinada ao Ocidente”, uma outra consequência direta disto é a absoluta submissão do país às instituições do capitalismo internacional subordinadas aos interesses do imperialismo ianque e europeu, como o FMI. Agora mesmo, no fim de julho, o famigerado fundo anunciou um novo “empréstimo” ao país, no valor de US$ 1,7 bilhão. Esse montante é parte do programa de “resgate” à Ucrânia acordado em março deste ano entre o conselho do FMI e o gerenciamento Poroshenko, e que prevê um total de rapasses àquela nação — tornada enclave do imperialismo ianque — da ordem de 17,5 bilhões em um período de quatro anos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro