Militância musical

A- A A+

Cantor, compositor e produtor musical, Renato Gama usa a música como militância por igualdade social. Atuando como educador musical na periferia onde vive, zona leste de São Paulo, escrevendo trilha sonora para o teatro, poetizando livro ou montando musical, Renato consegue fugir da miséria.

http://www.anovademocracia.com.br/156/15a.jpg

Nasci e resido na Vila Nhocuné. A palavra nhocuné é uma corruptela de senhor coronel, porque meu bairro era uma fazenda de escravos e eles chamavam o dono de senhor coronel, com pronúncia nhocuné —explica Renato.

Para sua família a música sempre foi uma estratégia para fugir da miséria.

Sou filho, sobrinho e neto de músico. Ela nos acompanha há muito tempo, e sempre foi uma estratégia para driblar a miséria, no sentido de ter mais dignidade, e significar uma possibilidade de profissão, de sustento.

E não é só a questão da sobrevivência, a música nos educou também. Meu irmão, Ronaldo Gama, terminou seu mestrado em canção popular, e eu posso dizer que aprendi muito ouvindo João Nogueira, por exemplo. Me fez enxergar que eu podia ajudar a transformar o lugar onde moro —diz.

Seus familiares mexiam, entre outros gêneros, com o samba e o rock da década de sessenta.

Faziam aquele samba rock que tinha aqui em São Paulo, e que no Rio chamam de suingue. Meu pai tem essa tradição, ao mesmo tempo tocava Martinho da Vila e Eduardo Araújo conta.

Por parte de mãe, meu tio também tem uma relação da guitarra no samba, e não esquecia Martinho da Vila, que é uma presença marcante na minha família. Todos eles seguiam essa linha —continua.

Nasci nesse universo musical e fora isso, a periferia é um lugar onde o meu vizinho do lado é pernambucano, o outro é alagoano. O da rua de baixo é angolano e o da rua de cima é português. O da frente é italiano. Enfim, é um lugar onde se escuta de tudo —acrescenta.

Uma de suas músicas, Caldo de Awara, trata um pouco dessas diferenças.

É um caldo que se faz no norte do Brasil: todas as culturas colocam o que tem de melhor, camarão, mandioca, batata, etc, e fica cozendo por dois dias. Ao comer percebemos as diferenças culturais e as coisas que nos aproximam.

São as diferenças que se juntam para formar algo novo. E entre os artistas me marcaram bastante está o Itamar Assumpção, um músico incrível que influenciou muitos da minha geração, e que também era morador da periferia —diz.

Ele transitava pelo rock, tinha o samba de breque, e desenvolvia uma música paulista. Fiquei muito apegado ao seu trabalho.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja