RJ: jovem morre dias depois de ser baleado por PMs

A- A A+

Na tarde do dia 31 de julho, representantes da Mídia Independente Coletiva e do jornal A Nova Democracia estiveram no cemitério São João Batista, Zona Sul do Rio de Janeiro, para conversar com a família do jovem estudante Rafael Pereira Soares, de 15 anos, durante seu velório e enterro. O adolescente era morador do Morro do Cantagalo e, segundo testemunhas, lanchava em uma padaria quando foi baleado por PMs da Unidade de Polícia Pacificadora. Moradores disseram que muitas pessoas circulavam pela favela naquele momento e, ao ouvirem os sons dos disparos, todos correram, inclusive Rafael. Policiais atiraram, balearam o rapaz e fugiram. Ainda com vida, o jovem foi socorrido por moradores e levado para o hospital Miguel Couto.

http://www.anovademocracia.com.br/156/10.jpg
A dor dos familiares durante o velório de Rafael

No local, PMs entraram no quarto de Rafael, o algemaram na cama e disseram que apreenderam com ele um radiotransmissor e um saco com drogas, que ele atirou contra os PMs e que estava sendo autuado em flagrante por tentativa de homicídio. No entanto, os próprios médicos da emergência do hospital viram quando o jovem chegou, socorrido por moradores, sem nenhum policial o acompanhando. Internado em estado grave e sob custódia, Rafael não pôde nem mesmo ver seus familiares nos últimos dias em que esteve vivo.

Se meu irmão é traficante, se atirou contra eles, e eles só revidaram, porque fugiram? Sabiam que estavam fazendo besteira. Porque foram os moradores que socorreram? E esse rádio, e essas drogas? Eles não me apresentaram nada disso. No local não havia nada, só o meu irmão com os documentos no bolso, do jeito que chegou no hospital. Triste é saber que no morro isso acontece sempre — diz a irmã de Rafael.

No cemitério também estava presente a líder comunitária Deize Carvalho, que teve seu filho Andrew Carvalho espancado até a morte por agentes penitenciários nas dependências de um centro correcional no Rio de Janeiro em 2009. Até hoje o caso não teve um desfecho definitivo, mas, desde então, Deize transformou-se em uma importante ativista contra a violência policial nas favelas e a política de extermínio do Estado e também uma das mais atuantes líderes comunitárias dos morros do Cantagalo e Pavão-Pavãozinho. Hoje, Deize cursa a faculdade de Direito e deu todo o apoio à família de Rafael para que conseguisse visitá-lo no hospital pouco antes de sua morte. No cemitério, ela não poupou palavras ao comentar o caso do assassinato.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja