Afeganistão: novo banho de sangue da criminosa invasão

A- A A+
Pin It
Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia


No último dia 2 de outubro, as forças militares do USA no Afeganistão desferiram um ataque aéreo contra um hospital operado pela organização Médicos Sem Fronteiras na cidade de Kunduz, no norte do país, matando 12 médicos e 10 pacientes, entre eles três crianças.

O chefe das forças ianques no Afeganistão, general John Campbell, classificou o ataque como um “erro” ao qual o exército do USA teria sido induzido pelo governo do Afeganistão, segundo o qual o hospital era um esconderijo de militantes talibãs.

Mais por vitimar uma dezena de médicos que usavam jalecos da ONG, e menos pelas crianças mortas, este mais novo banho de sangue promovido pelo imperialismo ianque ganhou, entretanto, repercussão internacional, e a própria Médicos Sem Fronteiras se lançou de cabeça, com dedicação e energia impressionantes, em uma campanha pela qualificação do ataque como “crime de guerra”.

Entre 2001 e 2012, milhares de afegãos foram assassinados por operações militares realizadas pelo USA e pela Otan no Afeganistão. Na maioria esmagadora dos casos, foram bombardeados por ataques aéreos lançados pelas forças invasoras, como o que mandou pelos ares o hospital da Médicos Sem Fronteiras em Kunduz, segundo dados da revista estadunidense The Nation.

De acordo com os já imprecisos e subestimados dados da ONU e de organizações internacionais de “direitos humanos”, pelo menos 19 mil civis afegãos morreram naqueles primeiros 12 anos de invasão por causa da violência descarrilada levada ao país pelo imperialismo e sua “guerra ao terror”.

Sobre esses “erros” sem fim, a direção da Médicos Sem Fronteiras, que atua desde antes de Bush dar a ordem para a invasão, calou-se sobre seu caráter igualmente criminoso, ocupada demais que esteve em gerenciar o dia a dia de enxugar sangue, amputar pernas e braços e ajudar com os atestados de óbito das vítimas do imperialismo.

Ao falar em “crime de guerra” contra suas instalações, a ONG, na verdade, escancara o seu caráter funcional à geopolítica, e admite tacitamente que, para a MSF, a própria “guerra”, ou melhor, a invasão do Afeganistão, não constitui crime contra o povo afegão, pelo menos não que mereça registro.

Nada de novo para uma organização fundada sob a égide da “ingerência humanitária”, empulhação mediante a qual tantos crimes contra os povos do mundo já foram cometidos por trás da cortina das melhores intenções.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja