A macabra seleção de refugiados pela indústria alemã

A- A A+
Pin It

Não osbtante a União Europeia prometer um bilhão de euros à Turquia para que este país absorva migrantes sírios antes deles alcançarem o espaço Schengen; não obstante a Alemanha ter delegado ao fascista húngaro Viktor Orban o trabalho sujo de conter com cercas e violência o grosso das massas migrantes da Síria, Afeganistão, Eritreia e de outros países castigados pela guerra e pela miséria semeadas pelo imperialismo; não obstante tudo isso, o imperialismo alemão segue recebendo grande quantidade de estrangeiros na condição de refugiados, não porque a senhora Angela Merkel foi de súbito e de fato tomada pelo “ideal europeu comum” que a Europa do capital monopolista atribui a si mesma, esbanjando hipocrisia, mas sim porque a absorção de um contingente significativo desses migrantes interessa, e muito, à grande burguesia alemã.

http://www.anovademocracia.com.br/159/17.jpg

Assim, o imperialismo alemão, se não criou a chamada “crise dos refugiados” — ou seja, se não exatamente para este fim que participou do jogo de ingerências e sabotagens das potências que atirou a Síria à guerra civil —, é certo que agora manobra para tirar o melhor proveito dela. Não por acaso o presidente da Federação da Indústria Alemã, Ulrich Grillo, já em 2014 se antecipava à própria Merkel na demagogia do bom-mocismo, dizendo que, “enquanto país próspero, e também por amor cristão ao próximo, o nosso país deverá se permitir acolher mais refugiados”.

Estudos apontam que o “mercado de trabalho” alemão pode registrar falta de mão de obra da ordem de 1,8 milhão de pessoas em 2020 e de 3,9 millhões em 2040. Com números deste tipo em mãos, Merkel já avisou que a Alemanha não poderá receber um milhão de refugiados por ano, mas que está nos planos “acolher” a um ritmo de 500 mil, “em médio prazo”. Mas, ao contrário do que se ventila, a indústria alemã não sofre simplesmente de carência de força de trabalho, mas sobretudo de trabalhadores baratos e desorganizados, porque, afinal, o país tem hoje mesmo quase três milhões de cidadãos desempregados. Diz-se que a falta é de “mão de obra qualificada”, fala-se muito no “déficit” de mais de 100 mil engenheiros, mas os primeiros refugiados sírios que já têm mãos à obra na indústria alemã são jovens colocados em postos de “aprendizes” em fábricas da Baviera.

Grillo já requisitou a Merkel a derrubada da regra que prevê que a contratação de um refugiado ou requerente a asilo só pode ser feita comprovando-se que a vaga não está sendo retirada de um candidato alemão. Isso entre outras “flexibilizações”. Exigem, os “empresários”, até mesmo garantias de que seus novos contratados não vão sair da Alemanha a curto prazo.  Além disso, a grande burguesia germânica já requisitou também “maior investimento” no ensino da língua alemã a refugiados, entre outras providências, para fazê-los se “integrar” tanto melhor quanto possível na condição de força de trabalho menos custosa e mais vulnerável a demissões, arrochos salariais e supressão de direitos e garantias trabalhistas. Afinal, a Alemanha já está lhes fazendo “um grande favor”…

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O mesmo Ulrich Grillo afirmou, mais recentemente: “se conseguirmos integrá-los rapidamente ao mercado de trabalho, ajudaremos os refugiados e nos ajudaremos também”.

Ora, desde quando o que é bom para o explorador é bom para o explorado? Desde quando a vantagem para o opressor é vantagem para o oprimido, ainda mais quando o antagonista demonstra ir com tanta sede ao pote? Na Alemanha, aos que passam na peneira migratória de Merkel-Grillo, estão reservadas a precariedade levada ao limite e a xenofobia açulada por esta situação. No último 5 de outubro um incêndio provocado por racistas em um centro de refugiados na Saalfeld, no leste do país, resultou na morte de um imigrante eritreu.

Naquele mesmo dia circulava a notícia de que um naufrágio na costa da Líbia vitimara mais 100 pessoas que tentavam atravessar o Mediterrâneo para chegar à Europa. Não resistiram à primeira etapa deste macabro processo seletivo que não é apenas da indústria alemã, ainda que ela esteja na dianteira desta degeneração do imperialismo, mas também das classes dominantes de vários outros países europeus.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja