O genocídio do povo preto existe e é consequência do genocídio do povo pobre

http://www.anovademocracia.com.br/159/02.jpg

A história do velho Estado brasileiro, em suas diferentes formas (da monarquia até as diferentes expressões da república semicolonial que hoje nos encontramos), é repleta de sangue de grupos explorados e oprimidos. Atualmente, se leva a cabo pelo velho Estado e sua gerência de turno encabeçada pelo PT/pecedobê vários genocídios. No campo e na cidade, a política do velho Estado é a do massacre e da barbárie da polícia fascista. Os camponeses pobres, povos indígenas e quilombolas são massacrados no campo; na cidade, a população pobre dos grandes centros urbanos é também cercada por um Estado policial que pratica o extermínio da juventude, com a desculpa de combate à criminalidade (que o próprio velho Estado permite e sustenta, enchendo as periferias de drogas e de lixo cultural que exalta o indivíduo em detrimento do coletivo).

Nessa conjuntura de massacre ao povo pobre na cidade, amplia-se o debate sobre o genocídio do povo preto. O genocídio do povo preto é real, verdadeiro. O velho Estado e sua polícia racista enxergam nos indivíduos pretos a personificação da pobreza, que, por sua vez, é a personificação da criminalidade. Em seus treinamentos, a polícia fascista impõe que o indivíduo preto é o provável potencial criminoso. Em outras palavras, o preto é sinônimo de pobre, e o pobre é logicamente um potencial criminoso. Isso faz desenvolver entre as massas populares pretas uma luta em particular contra o genocídio do povo preto, que é umbilicalmente ligado ao genocídio do povo pobre.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Nessa realidade de massacre aos pobres que afeta, na cidade, sobretudo os pretos (como maior contingente entre as classes empobrecidas), desenvolve-se uma nova questão que os revolucionários, democratas e patriotas devem compreender e solucionar: a questão de pontuar o genocídio do povo preto como consequência particular do genocídio do povo pobre e dar mais atenção às contradições que se desenvolvem no seio do povo no que tange à questão racial. Isto porque as massas pretas nas cidades já desenvolvem sua luta particular. Isso não é criar cisões ou contradições no seio do povo: isto é enxergar, apontar e, então, abrir alas para solucionar uma contradição que já está posta — pela própria construção histórica do Brasil, assentada sobre a exploração acentuada e potencializada de uma etnia em particular — e que recai em cima do Brasil a responsabilidade histórica de ser solucionada.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin