O genocídio do povo preto existe e é consequência do genocídio do povo pobre

A- A A+
 

http://www.anovademocracia.com.br/159/02.jpg

A história do velho Estado brasileiro, em suas diferentes formas (da monarquia até as diferentes expressões da república semicolonial que hoje nos encontramos), é repleta de sangue de grupos explorados e oprimidos. Atualmente, se leva a cabo pelo velho Estado e sua gerência de turno encabeçada pelo PT/pecedobê vários genocídios. No campo e na cidade, a política do velho Estado é a do massacre e da barbárie da polícia fascista. Os camponeses pobres, povos indígenas e quilombolas são massacrados no campo; na cidade, a população pobre dos grandes centros urbanos é também cercada por um Estado policial que pratica o extermínio da juventude, com a desculpa de combate à criminalidade (que o próprio velho Estado permite e sustenta, enchendo as periferias de drogas e de lixo cultural que exalta o indivíduo em detrimento do coletivo).

Nessa conjuntura de massacre ao povo pobre na cidade, amplia-se o debate sobre o genocídio do povo preto. O genocídio do povo preto é real, verdadeiro. O velho Estado e sua polícia racista enxergam nos indivíduos pretos a personificação da pobreza, que, por sua vez, é a personificação da criminalidade. Em seus treinamentos, a polícia fascista impõe que o indivíduo preto é o provável potencial criminoso. Em outras palavras, o preto é sinônimo de pobre, e o pobre é logicamente um potencial criminoso. Isso faz desenvolver entre as massas populares pretas uma luta em particular contra o genocídio do povo preto, que é umbilicalmente ligado ao genocídio do povo pobre.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Nessa realidade de massacre aos pobres que afeta, na cidade, sobretudo os pretos (como maior contingente entre as classes empobrecidas), desenvolve-se uma nova questão que os revolucionários, democratas e patriotas devem compreender e solucionar: a questão de pontuar o genocídio do povo preto como consequência particular do genocídio do povo pobre e dar mais atenção às contradições que se desenvolvem no seio do povo no que tange à questão racial. Isto porque as massas pretas nas cidades já desenvolvem sua luta particular. Isso não é criar cisões ou contradições no seio do povo: isto é enxergar, apontar e, então, abrir alas para solucionar uma contradição que já está posta — pela própria construção histórica do Brasil, assentada sobre a exploração acentuada e potencializada de uma etnia em particular — e que recai em cima do Brasil a responsabilidade histórica de ser solucionada.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja