Iraque: Comissão denuncia massacres

A- A A+
A Comissão Iraquiana de Direitos Humanos (CIDH) tem apresentado um balanço das violações dos direitos humanos por parte das tropas de ocupação, a qual contabiliza 17.488 detenções, 412 execuções sem qualquer julgamento, 620 casos de tortura de cidadãos que se tornaram inválidos para trabalhar, 6.100 pessoas cujo paradeiro é desconhecido, 179 assassinados sem ter nenhuma relação com a resistência e 266 residências destruídas. A CIDH atribuiu às tropas de ocupação a matança de 30 de novembro, que atingiu dezenas de civis na cidade de Samarra, entre eles um grande número de crianças e de mulheres.

A CIDH denuncia em seu comunicado “o bombardeio por parte das tropas ianques contra as residências de civis inocentes, na cidade de Samarra, destruindo quatro delas sobre seus habitantes e causando a morte de 52 cidadãos, entre eles 29 crianças e adolescentes menores de 15 anos e 10 mulheres.”

A comissão considera que “com esta ação vingativa contra cidadãos inocentes” se pretende “ocultar as perdas das tropas ianques e britânicas causadas pela legítima resistência iraquiana” e considera o ocorrido “um crime contra a humanidade”.

Por outra parte, a CIDH pediu ao Secretário Geral das Nações Unidas, à Liga Árabe e à Organização dos Países Não-alinhados, a intervenção imediata e a condenação “deste crime”. Também pediu a retirada imediata das tropas de ocupação e fez um chamamento a todas as organizações voltadas para a defesa de direitos humanos que “denunciem os crimes perpetrados pelas tropas ianques e britânicas no Iraque por contrariarem tudo o que foi estabelecido pelas convenções e doutrinas pertinentes.”

A comissão acusa as tropas de ocupação de ter executado 14 cidadãos, em 28 de novembro, quando os detiveram sem motivo algum e logo entregaram sete corpos ao hospital jordaniano sem que nada se soubesse sobre os demais.

Finalmente, a comissão acusa o Conselho Supremo da Revolução Islâmica, o Congresso Nacional Iraquiano, o Movimento Alwifak (o consenso), a União Nacional do Kurdistan, o Partido Democrático do Kurdistan e o Partido de Adaawa (a predicação) e membros da polícia iraquiana, de delatar cidadãos inocentes às tropas de ocupação para que sejam detidos ou mortos, ainda que por vingança, para apropriar-se de suas casas por rechaçarem a ocupação ou a convivência com os colaboracionistas.

 


Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja